Serie A

22ª rodada: Dá para estrear com dois pés direitos?

Dois gols e um pênalti sofrido: Pazzini estreia pela Inter como se estivesse há anos no time, cria dúvidas para Leonardo e já é xodó da torcida (Getty Images)

Na última rodada da Serie A antes do fechamento do mercado, alguns reforços contratados no mercado de reparação já demonstraram do que podem ser capazes ao longo do restante do campeonato. É o caso de Pazzini, que marcou dois gols e foi fundamental na virada da Inter sobre o Palermo, que mantém os nerazzurri na briga pelo título. Por outro lado, uma enfraquecida Sampdoria já sofre com as ausências de Cassano e Pazzini e, com a goleada sofrida ante o Napoli, pode estar começando a passar por um processo de redimensionamento.

A próxima rodada, que começa hoje, com Milan e Lazio, pode ser a virada do fio para muitas equipes na Serie A. Como para a Juventus, que contratou o artilheiro Matri para tentar resolver os problemas do seu ataque ou para Bari e Cesena, que fecharam com reforços que chegam para serem titulares e tentarem evitar o rebaixamento. Por ora, fiquemos com o resumo da 22ª rodada.

Inter 3-2 Palermo
No Giuseppe Meazza, Giampaolo Pazzini deu uma bela definição do que é estrear com o pé direito. Contratado na sexta-feira, o Pazzo entrou no segundo tempo, quando a Inter perdia por 2 a 0 para o Palermo e foi o grande responsável pela virada: em menos de meia hora em campo, marcou dois gols de centroavante típico e sofreu o pênalti que possibilitou a Eto’o marcar o gol da virada. Pazzini, primeiro centroavante italiano contratado pela Inter desde Christian Vieri, já provoca dúvidas em Leonardo, que agora tem abundância de opções no ataque e já é pressionado pela torcida a testar um tridente ofensivo com Eto’o, Milito e Pazzini, ao menos na ausência de Sneijder.

O Pazzo não foi o único reforço interista a incidir diretamente no resultado: a se destacar também a estreia de Kharja, que participou de dois dos gols e ajudou a mudar o jogo no meio-campo. Outro “reforço” foi a volta de Júlio César, que respondeu aos rumores sobre a chegada de Viviano em julho e foi decisivo em sua volta aos gramados, com ótimas defesas – inclusive um pênalti, cobrado por Pastore -, que possibilitaram que a Inter permanecesse viva no jogo. A nota negativa pelo lado nerazzurro foi a péssima atuação de Santon, que não evoluiu depois de aparecer bem com José Mourinho em 2008-09 e acabou emprestado ao Cesena, para tentar recomeçar. Em troca, a Inter recebe o japonês Nagatomo, destaque da Serie A e da Copa da Ásia.

O Palermo parece cansado. Além da dificuldade de manter os resultados que os comandados de Delio Rossi tem atravessado, os rosanero parecem sucumbir à estafa de Pastore e Ilicic, visivelmente abaixo do que já produziram no primeiro turno. Os dois gols marcados no Meazza e até mesmo o pênalti conseguido por Kasami parecem ter sido fruto mais da má fase que vive o sistema defensivo interista do que por méritos dos sicilianos. A falta de reposição aos fantasistas, problema não corrigido no mercado de reparação, deve pesar ao longo do restante do campeonato e quem deve pagar o pato é o técnico Delio Rossi, alvo constante de críticas do presidente Maurizio Zamparini. O sonho de classificação para a Liga dos Campeões está cada vez mais distante e até mesmo se classificar para a Liga Europa não será tarefa simples.

Juventus 1-2 Udinese
Os gritos vindos da arquibancada do Olímpico de Turim, ontem, resumem bem o momento da Juve: “Alguém faz gol, por favor”. O mau aproveitamento do ataque atrapalha e a equipe vai se afastando das primeiras colocações da tabela (agora ocupa apenas a sétima posição). Na derrota para a Udinese, foi o meio-campista Marchisio que abriu o placar, com um golaço, mas a Velha Senhora não conseguiu segurar o resultado e saiu derrotada de seu estádio. Hoje, no fechamento do mercado de inverno, o clube acertou com o atacante Matri, do Cagliari, o que pode dar uma sobrevida ao ataque e uma boa resposta aos protestos das arquibancadas. A conferir.

O primeiro tempo em Turim foi movimentado, mas com poucas chances reais de gol. Os friulanos começaram melhor, chegando bem pelas alas. Depois, a Juve passou a tomar conta das ações, mas o pouco perigo oferecido por Martínez no ataque não incomodava o goleiro Handanovic. Del Piero e Sanchéz foram os únicos perigosos da primeira etapa, que acabou 0 a 0. No segundo tempo, os capitães Del Piero e Di Natale melhoraram em campo e o jogo ganhou em qualidade. Aos 15, Marchisio aproveitou sobra para marcar. Mas o time de Guidolin não se deixou abater: seis minutos depois empatou, com Zapata, e no final virou, com Sanchéz. Virada no jogo e na tabela. O time de Údine passou os bianconeri na tabela e agora ocupa a sexta colocação. Brigar pela Liga dos Campeões parece uma realidade para a equipe de Guidolin. (Rodrigo Antonelli)

Napoli 4-0 Sampdoria

A prova de que velhas máximas do futebol podem ser provadas dentro de campo aconteceu em Nápoles. Mais uma vez jogando por pressionado por conta de outros resultados, o Napoli confirmou a grande fase e goleou a Sampdoria, que com a derrota assina de vez o atestado de que voltou a pensar – e jogar – pequeno. O duelo expôs claramente que o tridente de ataque napolitano formado por Hamsík, Lavezi e Cavani está vivendo sua melhor fase na Serie A, colocando os azzurri na luta não só pela Liga dos Campeões, mas pelo título. Já do lado blucerchiato, a exposição clara foi a de todas as deficiências de um time que pela primeira vez jogou sem a dupla de ataque que o consagrou na última temporada. As vendas de Pazzini, agora na Inter, e sem Cassano, há algum tempo no Milan, serviu como uma mensagem aos jogadores: a Samp tem menos ambições e acabou virando presa fácil.

O leão que devorou a presa inofensiva foi Cavani. A velocidade do ataque napolitano, comandado por um Lavezzi em faseexbuerante, desmontou sem qualquer dificuldade a defesa do time genovês. A goleada começou a surgir cedo, logo aos 16 minutos do primeiro tempo, quando Cavani inaugurou o marcador. Sem qualquer reação, a Sampdoria apenas assistia os donos da casa jogarem, tendo como glória máxima o fato de demorar para sofrer o segundo gol, novamente do atacante uruguaio, desta vez cobrando pênalti. O Napoli ainda teve tempo para, com Hamsík e mais uma vez Cavani, novo artilheiro do campeonato italiano com 17 pontos, ampliar o placar, facilmente construído. Se o Napoli, fortalecido por seu tridente dos sonhos, briga pelo título, a Samp, que se desfez de seus principais jogadores, parece desejar cada vez mais pelo final de uma temporada que começou com pitadas de glória e caminha com belas doses de um drama sem fim. (Leonardo Sacco)

Catania 0-2 Milan
No sábado, o Milan foi a Sícilia e teve dificuldade para vencer o Catania, que ficou com um jogador a mais durante quase todo o segundo tempo, depois da expulsão de Van Bommel em sua estreia na Serie A. Do lado do Catania, Gómez e Maxi López se movimentavam bem, mas tinham dificuldade de passar pela organizada defesa milanesa. Do outro lado, Ibra estava muito bem marcado e Cassano foi pouco participativo, em dia de pouca inspiração. Quem acabou resolvendo foi Robinho. O brasileiro fez o primeiro gol quando aproveitou rebote na cobrança de falta de Ibrahimovic e, depois, deu assistência para Ibra matar o jogo. Méritos também para o técnico Allegri, que mais uma vez mexeu bem e possibilitou a Thiago Silva disputar bons minutos no meio-campo.

O destaque da partida foi o brasileiro Robinho, muito obediente taticamente e escalado como um falso trequartista no 4-3-1-2 de Allegri. Falso porque seu dever não é armar o jogo para Cassano e Ibra. Robinho ocupa aquela posição apenas quando o Milan está sem a posse da bola e ele tem que voltar para ajudar na marcação. Caso contrário, Robinho troca de lugar com Cassano e deixa o italiano, mais criativo, distribuir o jogo. Assim, Robinho vem fazendo boas partidas e aumenta a concorrência por vagas na frente. Sábado por exemplo, foi Pato quem ficou no banco. do líder do campeonato, com 47 pontos. O Catania, por sua vez, aprofunda a má fase e ainda não somou pontos desde a chegada de Simeone. Sem Mascara, negociado com o Napoli, o time entra de vez na briga contra o rebaixamento. Os etnei contrataram Lodi (Frosinone), Bergessio (Saint-Étienne) e Schelotto (Cesena). Será suficiente? (Rodrigo Antonelli)

Lazio 2-0 Fiorentina
No outro jogo de sábado, Lazio e Fiorentina fizeram jogo de baixo nível técnico e pouca emoção. Reja optou por poupar Hernanes, jogador mais criativo do time romano, e colocou o time em um 4-4-2, com Gonzalez e Mauri nas alas e Kozák e Floccari no ataque, graças à suspensão de Zárate. Já Mihajlovic, deixou D’Agostino no banco e escalou o time em um 4-3-3 que mais parecia um 4-5-1, com Gilardino muito isolado na frente. Ljajic e Cerci eram os outros homens de frente na teoria, mas ambos ficaram muito recuados. Assim, o primeiro tempo acabou em um fraquíssimo 0 a 0.

Para os 45 minutos finais, Mihajlovic trocou Ljajic por D’Agostino para tentar reanimar a apática Fiorentina. Mas nada feito. O time pouco melhorou. Santanta foi o único homem que conseguiu incomodar um pouco os donos da casa. A Lazio não fez muito mais para merecer o resultado, mas soube aproveitar dois erros defensivos viola para matar o jogo. Primeiro, em pênalti cometido por Kroldrup e convertido pelo garoto Kozák. Depois, em mais um erro de Kruldrup, que perdeu a bola e armou o contra-ataque biancoceleste. E Kozák marcou outro, dessa vez de cabeça. Já são quatro gols em nove partidas do tcheco, que sempre que marca, dá a vitória aos aquilotti. Com o resultado, a Lazio permanece na terceira posição, com 40 pontos. (Rodrigo Antonelli)

Cagliari 2-1 Bari
Sem jogar pelo empate (tem apenas vitórias e derrotas), o Cagliari de Roberto Donadoni vai subindo na tabela e já ocupa a oitava posição, com 29 pontos. Resta saber como os sardos irão reagir à saída do atacante Alessandro Matri para a Juventus no último dia do mercado europeu. Matri que, contra o Bari, marcou uma doppietta com menos de 15 minutos de jogo, tem 11 gols no campeonato e costumava decidir partidas complicadas para a equipe. Se é certo que o jovem Ragatzu receberá mais chances, não é possível afirmar que os rossoblù manterão o bom ritmo com Nenê e Acquafresca como titulares. O objetivo primário da temporada, a salvezza, parece praticamente garantido, o que deu maior liberdade para que o presidente Massimo Cellino negociasse seu principal jogador e permitisse que o clube embolsasse 18 milhões de euros, a serem pagos em junho.

O Bari, por sua vez, parece destinado à Serie B, e vai ter que torcer para que os reforços contratados ontem (Kopunek, Huseklepp e Codrea) se encaixem bem ao time. Rudolf, que perdeu um pênalti no domingo, mas tem jogado bem, e Okaka, autor de um gol que contou com mais uma falha de Agazzi, tem jogado bem, mas não tem sido suficiente. Os biancorossi já somam quatro derrotas consecutivas.

Genoa 3-1 Parma
Quase dois meses depois, o Genoa volta a vencer na Serie A e, de quebra, marcou três gols – com exceção dos dois feitos na derrota por 4 a 2 para a Udinese, o time não havia marcado nos últimos cinco jogos. O resultado positivo, totalmente construído no primeiro tempo, no entanto, teve grande contribuição do parmiggiano Paletta, que cometeu pênalti, fez gol contra e ainda deu, involuntariamente, o passe para que Kaladze marcasse o gol do 3 a 1, um minuto após seu gol contra.

Por outro lado, Ballardini começa a achar um método de jogo mais adequado às peças que tem. O técnico passou a adotar o 4-4-2, privilegiando o jogo pelos flancos, com Konko, Rafinha, Mesto e Rossi. Na partida contra o Parma faltou, no entanto, aproximação entre os meias e o ataque. Floro Flores ficou bastante isolado. No Parma, a expectativa gira em torno de como Crespo (oito gols na Serie A) e Amauri, recém-emprestado pela Juventus, irão existir em conjunto.

Lecce 1-1 Cesena
Em um dos confrontos diretos pela salvezza que movimentou a rodada da Serie A, a conquista do Cesena foi ainda maior pela forma como se deu. O Lecce logo abriu o placar com Corvia, aos 3 minutos de jogo, e foi melhor durante toda a partida, obrigando Antonioli a fazer mais uma boa partida. Os cesenáticos chegaram a ter um pênalti a seu favor no segundo tempo, mas Budan desperdiçou a chance de fazer seu primeiro gol com a camisa bianconera. Sorte dos romanholos é que Bogdani passa por temporada atípica e inspirada – com seis gols, faz sua segunda melhor temporada na Serie A – e empatou o jogo de cabeça, nos acréscimos do segundo tempo.

Apesar de ter perdido as últimas três partidas (enfrentou Roma, Inter e Milan e saiu de cabeça erguida em todos os confrontos), o Cesena parece ter encontrado um caminho importante para buscar a permanência na elite, como mostra o empate no final do jogo deste domingo. Contratações importantes no mercado – Santon, Rosina e Felipe – também podem fazer a diferença.

Brescia 0-3 Chievo
Depois de oito jogos sem vitória, o Chievo volta a vencer e, em uma partida que valia como confronto direto pela salvezza, chegou à sua centésima vitória na Serie A – talvez em um dos jogos em que menos fez esforço, pois o Brescia mal entrou em campo. O amplo domínio clivense se traduziu em dois gols do capitão Pellissier e outro do zagueiro Mandelli, que decidiram tudo em momentos cruciais da partida: no fim do primeiro tempo e no início do segundo o Chievo abriu 2 a 0 e ainda deu o golpe de misericórdia nos acréscimos da segunda etapa. O ótimo resultado dá sobrevida ao técnico Stefano Pioli, que comemorou muito o resultado

No Brescia, o presidente Gino Corioni, sem papas na língua, já disparou contra os jogadores: “demoramos cinco anos para voltar para a elite e vocês deveriam se envergonhar poe jogarem tão mal”. Depois de seis derrotas em sete partidas, Mario Beretta pagou com seu cargo e deu lugar a Giuseppe Iachini, que começou o campeonato treinado a equipe bresciana. Escapar de um retorno à Serie B parece difícil.

Bologna-Roma (suspensa aos 16 minutos de jogo)
Nevascas no inverno bolonhês são coisas comuns. Apenas na atual Serie A, é a segunda partida disputada no Renato Dall’Ara que teve de ser adiada por este motivo – desta vez, os jogadores decidiram entrar em campo, mas depois acharam melhor que a partida fosse adiada, para evitar lesões. O que deve ser discutido aqui, na verdade, é a falta de estrutura de boa parte dos estádios italianos. Houvesse cobertura no estádio, a partida teria sido realizada sem maiores problemas e sem necessidade de uma nova data. A recuperação desta partida deve acontecer no dia 23 de fevereiro, uma quarta.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 22ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 21ª rodada, clique aqui.

Seleção da 22ª rodada
Júlio César (Inter); Maicon (Inter), Thiago Silva (Milan), Mandelli (Chievo), Zanetti (Inter); Yebda (Napoli), Bogliacino (Chievo), Hamsík (Napoli); Robinho (Milan); Cavani (Napoli), Pazzini (Inter). Técnico: Walter Mazzarri (Napoli).

Deixe um comentário