Mercado

Mercado: Luca Toni na Roma

Pela Fiorentina, a consagrada comemoração após cada um de seus 49 gols em Florença (Ansa)

Julho de 1999. Luca Toni tinha 21 anos. Francesco Totti, 22. Enquanto o segundo já era capitão da Roma, o primeiro pensava que o sonho no futebol já estava terminado. Uma perspectiva válida depois de um ano terrível pelo Fiorenzuola, no qual era titular e marcou só dois gols pelo time que terminaria rebaixado a Serie C1. Sua última chance seria na Logidiani, clube da capital que também disputava a terceira divisão. Lá as coisas começariam a mudar.

Com 15 gols pelos biancorossi, Toni chamou a atenção do Treviso e por lá repetiu o número, dessa vez na Serie B. E 15 meses depois de ter pensado que tudo estaria terminado, estreava na Serie A pelo Vicenza, contra o Milan de Boban e Bierhoff. Quase dez anos e muita fama depois, Toni volta à Itália para recuperar o espaço perdido na seleção, agora com a camisa 30 da Roma.

“Luca é um atacante forte e consistente, além de um campeão do mundo”. Palavras de Totti, ainda capitão romanista após uma década e de novo seu parceiro. Da última vez em que estiveram juntos, ajudaram a Itália a conquistar a Copa do Mundo. Agora, Toni precisa de seus gols para voltar ao Mundial, enquanto para Totti basta manter sua forma física. A recepção em toda cidade foi fantástica e já há um clima de Tonimania, endossada pelo treinador Claudio Ranieri: “É um jogador que nos faltava, muito forte na área”.

Toni chega à Roma cercado de expectativas e com muita vontade de recuperar os holofotes que perdeu na Alemanha. Depois de dois grandes anos pelo Bayern, com 57 gols em 81 jogos, uma lesão o afastou no fim da Bundesliga 2008-09 e mudou todo seu futuro: Louis van Gaal, novo treinador dos bávaros para a temporada seguinte, não contaria com ele. E assim Toni chegou a jogar pelo Bayern II, na terceira divisão alemã, para manter a forma.

Desde 2004, quando se estabeleceu como um dos grandes artilheiros italianos da década, Toni só passou três anos na Serie A. Mas deixou sua marca, com 68 gols, por Palermo e Fiorentina. Seu retorno à pátria, não à toa, está cercado de expectativas. Demostrando boa condição física e muita motivação em seus primeiros treinamentos, precisou de apenas alguns minutos em Trigoria para, de pé direito, bater Doni dentro da área. No amistoso de ontem contra a Lodigiani, onde tudo mudou, Toni jogou por 60 minutos e deu um passe pra gol.

Taticamente, seu aproveitamento ainda é uma incógnita. Ranieri passou dezembro utilizando um 4-2-3-1 no qual Totti teria de voltar a cumprir o papel de trequartista para que Toni tenha seu espaço. No 4-3-1-2, também bastante utilizado nos últimos tempos, o bomber praticamente derrubaria a titularidade de um inconstante Vucinic, além de fazer mais polêmicas com um sempre insatifeito Ménez. Mas a chegada de Toni foi o suficiente para fazer sonhar um time que não tinha um centroavante de fato desde a já distante saída de Batistuta.

4 comentários

  • Perfeito.Acho que Toni vai dar certo.

    O esquema deve ser o 4-4-2 com 2 linhas de 4 mesmo.
    Ou então 4-3-1-2 ou 4-2-3-1.

    Bom reforço para a Roma.Pena que Guberti,e Cerci serão emprestados.O Segundo deveria ficar,pois jogou muito na última partida da Liga Europa.

  • Pois é, eu apostaria no 4-4-2, mas parece que Ranieri tende a usar o 4-2-3-1… Veremos.

    Cerci não volta mais pra Roma, a não ser que arrebente demais. Uma pena. Se fizer que nem D'Agostino e estourar daqui a pouco, vão pedir a cabeça do Pradè.

  • Braitner,
    Muito legal esse 'post', traçando o paralelo das carreiras de Totti e Toni.
    Também estou curioso para ver como Ranieri irá armar a equipe, mas acredito que, ao menos no início, Toni deverá ser substituído por Vucinic no decorrer das partidas, vez que o italiano provavelmente não conseguirá jogar (bem) os 90'.
    Abraços,

  • Uma coisa legal de notar é que Vucinic, se virar opção a Toni, vai voltar a ser um atacante de fato. O que não sei se seria muito bom pra ele, já que suas atuações como esterno têm sido absurdamente melhores nos últimos anos.

Deixe um comentário