Mercado

Mercado: Próxima estação, Espanha

Expulsão contra a Inter foi apenas uma das trapalhadas de Tiago na Juventus (Reuters)

Na última semana, a Itália vivenciou uma situação um tanto incomum: quatro jogadores de clubes do país se transferiram, por empréstimo, para clubes espanhóis. Não que tenham sido grandes perdas; pelo contrário. Tiago, Stankevicius, Eliseu e Osvaldo não farão falta a suas equipes. Todos eles foram contratados por seus ex-clubes com grandes expectativas, mas ficaram aquém do que se esperava.

Dentre eles, o único que não constitui um autêntico flop é Stankevicius. Emprestado ao Sevilla, há pouco tempo ele foi eleito melhor jogador lituano de 2009. Além disso, ocupou a titularidade da lateral direita da Sampdoria por uma temporada e meia. Porém, o único titular dentre os quatro jogadores-alvo do texto nunca foi unanimidade em Gênova. Contratado em 2008 após seis temporadas no Brescia, nas quais se firmou como um dos pilares rondinelli, Stankevicius fez duas temporadas irregulares. Nunca foi capaz de ser o lateral ofensivo que a Samp precisava quando tinha um meio-campo muito físico, na última temporada. Também nunca deu segurança na defesa, seja enquanto lateral ou quando foi improvisado por Mazzarri. Nesta temporada os problemas persistiram e ele ainda foi expulso duas vezes de maneira infantil. No entanto, foi-lhe dada a oportunidade de jogar em um time que luta por uma vaga na Champions League – e que está nas oitavas da competição.

Na mesma semana em que emprestou um Molinaro, já relegado a reserva, ao Stuttgart, a Juventus emprestou Tiago ao Atlético de Madrid. O meia, que passou por Benfica, Chelsea e Lyon, nunca demonstrou na Juventus a sua discrição eficiente. Ao contrário, sua presença era ocasionalmente notada graças a falhas de posicionamento ou até mesmo por trapalhadas. Tiago, que já foi eleito há três ano como pior contratação da temporada 2007/08 aqui no blog, estava com dias contados na Juve há algum tempo. Ele só não saiu no verão europeu porque a equipe bianconera não tinha uma peça de reposição na manga. Agora, a sua cessão, aliada a outros fatores, como a ausência de Sissoko por conta da Copa Africana de Nações, a má fase de Felipe Melo e a lesão de Poulsen (que o afastará por cinqüenta dias) pode fazer com que a Velha Senhora volte ao mercado.

Já os casos de Osvaldo e Eliseu são bem diferentes entre si. Ao contrário de Eliseu, que mal jogou na equipe capitolina, o atacante de Buenos Aires era peça útil ao elenco. Apesar de justamente preterido a Di Vaio e Zalayeta no Bologna, Osvaldo marcou apenas um gol a menos do que seus companheiros (três, no total), em treze partidas. No entanto, a inexperiência ainda pesa e a conta de gols perdidos, muitas vezes por nervosismo, é maior que a de gols marcados. O atacante prometia muito quando surgiu no Huracán, em 2005, e logo depois, foi levado ao Lecce por Zdenek Zeman. Com 18 gols em 37 partidas, o ítalo-argentino foi negociado com a Fiorentina, onde teve apenas um bom um início de temporada, em 2007-08, mas nunca teve espaço entre os titulares. Uma nova chance, lucrativa para o jogador e também para o Bologna, surge no Espanyol, que acordou com o rossoblù, quando primeiro sonhara com Balotelli e Suazo. Os felsinei só precisarão ir ao mercado caso desejem contar com um atacante mais jovem, já que todos os atacantes que sobraram no elenco já passam da faixa dos trinta anos, exceto o uruguaio Giménez.

A Lazio por sua vez, continua tendo destaque no mercado de janeiro. Após rescindir com Pandev e trazer os atacantes Gonzalo Barreto, do Danubio, e Floccari, do Genoa, foi a vez do clube emprestar o meia Eliseu ao Zaragoza. O açoriano passou a vestir biancoceleste no verão, credenciado por uma ótima temporada no Málaga e por uma convocação para a seleção portuguesa. Eliseu deveria concorrer com Foggia pela titularidade da ponta direita aquilotti, mas só entrou em campo por poucos catorze minutos. Número bastante eloqüente para demonstrar o quão decepcionante foi sua passagem por Formello.

1 comentário

  • O problema da "Jumentus" não são as peças de reposição e sim porque nunca tiveram trabalho de base decente. quando o "calciopoli" não ajuda até na hora de fa$er plantel, a incompetência aflora. esta semana no portale romanista eu até enfatizei o atoleito que o time dos agneli tem vivido desde quando caíram pra segunda divisão. qual será o próximo moggi da "drughi" jumentina?

    Quanto aos demais citados, eu sempre gostei muito do Osvaldo, e que futebol foi aquele que colocou a Fiorentina na zona champions do ano passado heim? Lembro como se fosse hoje naquela humilhante derrota aplicada a véia carçuda de turim.

Deixe um comentário