Serie A

O risco-Cavani

Cavani foi titular no surpreendente Uruguai da Copa do Mundo e agora chega ao Napoli (AFP)

A negociação para levar Edinson Cavani do Palermo ao Napoli por 17 milhões de euros durou quase dois meses. Quando a compra foi fechada, todas as maledicências ao até então contestado Riccardo Bigon, diretor esportivo partenopeu, sumiram. Os boatos de problemas internos entre ele, o presidente Aurelio De Laurentiis e o treinador Walter Mazzarri também desapareceram.

Tudo por conta da contratação de um dos destaques da seleção uruguaia na Copa – e também um dos atacantes mais promissores do cenário mundial, aos 23 anos. Cavani prefere atuar como referência pelo centro, mas também joga caindo pelos lados e marca bem a saída de bola adversária. Apesar da altura, é ágil e tem bom drible. Também se destaca nas bolas paradas, seja cobrando ou aproveitando de cabeça.

Para a evolução de Cavani, Delio Rossi foi essencial. O técnico chegou ao Palermo em crise na 14ª rodada da Serie A passada e cobrou mais do uruguaio, até então uma promessa instável. Com o comandante emiliano, os rosanero mostraram uma equipe mais compacta e de posse de bola perigosa, que chegou em quinto lugar no fim do campeonato. Cavani ganhou importância, se sacrificou pelo time e marcou gols decisivos contra Juventus, Lazio, Siena e o próprio Napoli – ainda que mantenha a mania de perder alguns gols fáceis na grande área.

Para o 3-4-2-1 que Mazzarri deve conservar na temporada 2010-11, Cavani tende a ser importante. Afinal, disse ter recusado sondagens de clubes maiores porque seu papel no Napoli seria mais decisivo. Mas onde entrará? O napolitano Quagliarella, maior contratação do clube até a chegada do uruguaio, é xodó da torcida e parece ter vaga cativa. O argentino Lavezzi fez ótima preparação e larga na frente neste início de temporada. E Hamsík, ainda que mais recuado, foi o artilheiro da equipe nos últimos três anos.

Como são apenas três vagas “ofensivas” para os quatro grandes deste Napoli, espera-se que Mazzarri recue Hamsík para sua posição de origem, na linha de quatro meio-campistas, fazendo dupla com Blasi pelo centro. Função que o eslovaco fez muito bem com Edy Reja quando chegou a Nápoles. Mas a mesma na qual naufragou por sua seleção, na Copa do Mundo, quando foi sacrificado e não rendeu atuando mais recuado do que tem sido comum nas duas temporadas passadas.

No Napoli que estreia pela Liga Europa na próxima semana enquanto retoma as ambições de voltar à Liga dos Campeões, os quatro são fundamentais, mas ainda há dúvidas sobre como encaixá-los. Cavani faria hoje sua estreia no amistoso com o Bologna, mas ficou de fora por não estar na melhor forma física. As dúvidas só devem ser dissipadas na estreia da Serie A.

Algo ousado, pois este risco-Cavani pode ir contra os planos de uma equipe cada vez mais ambiciosa. Mas que em seu planejamento ainda não conseguiu reunir um reserva para o quarteto, já que as saídas de Zalayeta e Denis são certas. A contratação de Lucarelli, 34 anos e média de 0,35 gols por jogo nos últimos três anos, parece questão de tempo. Mas apostar no temperamental artilheiro como reserva de luxo é, no mínimo, um plano arrojado.

Deixe um comentário