Serie A

33ª rodada: Como uma rodada deve ser

Napolitano, Insigne comemora com a torcida. Anos antes, estava no lugar deles (AP)

Para quem gosta de futebol, esta rodada da Serie A foi um prato cheio. Teve jogo com muitos gols, mais de um jogo definido nos acréscimos, muita tensão dentro e fora de campo. Também teve golaços, recuperação de time que vinha mal nas últimas rodadas, brigas homéricas entre jogadores… e até jogaço entre Juventus e Milan. Se o jogo entre os gigantes não foi dos melhores, ao menos o resto da 33ª rodada valeu a pena. O campeão e o vice estão praticamente definidos, mas ainda há bastante emoção na briga por vagas europeias e sufoco no fundo da tabela. Confira o resumo da rodada.

Napoli 3-2 Cagliari

Napolitanos e sardos faziam um jogo de equipes que já podem se considerar campeãs. O melhor Napoli desde o de Maradona e Careca jogava contra um Cagliari que disputou um campeonato quase todo fora de casa e que, mesmo assim, faz sua melhor campanha desde 2008-09, quando Max Allegri era o treinador – e pode superar o feito. Não à toa, o jogo foi cheio de lances polêmicos e rendeu, literalmente, fortes emoções até o fim. Logo no primeiro tempo, o Cagliari saiu na frente depois que Ibarbo aproveitou bola mal afastada por Cavani e acertou forte chute no canto de Rosati, que substituía o suspenso De Sanctis. Pouco depois, o Matador partenopeo foi derrubado na área, mas o árbitro De Marco mandou seguir, erradamente. Cavani reclamou e levou amarelo, o que o deixa de fora da partida contra o Pescara. 

No segundo tempo, o Napoli empatou logo no início, graças a gol contra de Astori – dessa vez, De Marco acertou em voltar atrás e não anular o gol. Ivo Pulga, técnico do Cagliari, acabou expulso por reclamação e soube, dos vestiários, que a virada, com Cavani, veio em novo lance complicado. O uruguaio estava impedido e o bandeira não notou, validando seu 23º gol na Serie A. Para colocar mais fogo no jogo, Sau marcou belo gol de fora da área, chegando ao seu 12º no campeonato – ótimo número para um estreante na elite. Apenas aos 49 minutos, o Napoli conseguiu chegar à vitória que lhe deu tranquilidade na vice-liderança e que, provavelmente, selou seu ingresso direto à fase de grupos da Liga dos Campeões. E o gol veio de um produto da base, de um torcedor do clube que nunca viu Maradona atuando pelo clube: Insigne. Antes de o jogo terminar, ainda deu tempo de haver uma pequena briga entre os jogadores, sem graves danos. (Nelson Oliveira)

Fiorentina 4-3 Torino

Quem foi ao Artemio Franchi neste domingo presenciou golaços e erros defensivos num dos jogos mais emocionantes da rodada. A Fiorentina bateu o Torino por 4 a 3, com gol de Rômulo nos minutos finais. O resultado deixou a Viola na quarta colocação, com 58 pontos, um atrás do Milan, primeiro integrante da zona de classificação à próxima Liga dos Campeões. Cuadrado, apressadinho, colocou o time da casa na frente do marcador aos 8 minutos, com um lindo drible em Santana e uma cavadinha de fora da área. Aquilani dobrou a vantagem aos 16 minutos: Borja Valero cruzou e o meio-campista cabeceou com força, mas em bola defensável que Gillet deixou passar. Ljajic, de falta, marcou um golaço. Barreto, antes do intervalo, descontou.  

Na etapa final, o Torino voltou melhor e contou com o poder da lei do ex. Primeiro, com uma falha de Viviano: Santana, após excelente jogada tramada pelo Toro, chutou no meio do gol e o goleiro da Fiorentina aceitou. Cerci, ex-viola como Santana, calou o Artemio Franchi ao acertar uma finalização improvável da intermediária, no ângulo. Porém, Rômulo, que saiu do banco, entrou bem e aproveitou a troca de passes entre El Hamdaoui e Fernández para, de bico, anotar o quarto gol dos mandantes. Na próxima rodada, a Fiorentina enfrenta a Sampdoria. O Torino vai fazer o clássico contra a Juventus, como mandante, e não tem Darmian, suspenso. (Murillo Moret)

Juventus 1-0 Milan 
Arturo Vidal não se cansa de mostrar porque é um dos melhores meio-campistas em atividade na Europa atualmente. Mais uma vez, o chileno fez grande partida e ajudou a Juve a conquistar mais uma vitória – a 24ª – na Serie A, colocando uma mão e mais três ou quatro dedos no scudetto. Foi dele o gol solitário da partida, em cobrança de pênalti. Mas não é só por causa da sua eficiência ofensiva (já marcou oito gols na competição, apenas um a menos que o artilheiro da equipe, Vucinic) que ele se destaca: Vidal é essencial para o bom funcionamento do meio-campo da Velha Senhora. Contra o Milan, ele anulou qualquer ação de Boateng e Muntari.

Em um 3-5-2 mais compacto, Conte colocou a equipe para jogar nos contra-ataques, principalmente. Dessa forma, o Milan teve maior posse de bola durante todo o jogo, mas sem conseguir incomodar de fato a retaguarda bianconera. Ainda assim, o Milan de Allegri se mostra uma equipe em evolução e já vai pintando como a principal adversário da Juve para a próxima temporada. Com 77 pontos, a Juventus pode ser campeã já na próxima rodada, caso vença o clássico contra o Torino e o Napoli tropece (empate ou perca) diante do Pescara. Já o Milan, tem 59 pontos e vê a Fiorentina se aproximando de forma perigosa, de olho na vaga para a Liga dos Campeões. (Rodrigo Antonelli)

Inter 1-0 Parma

Sem
vencer em casa pela Serie A desde fevereiro, a Inter enfim voltou a comemorar
no Giuseppe Meazza. Em atuação pouco inspirada, o time de Stramaccioni conquistou três pontos importantes na
briga por uma vaga em competições europeias – os nerazzurri voltam a entrar na “zona Uefa”, na quinta colocação. A Inter teve o
controle dos primeiros 20 minutos, porém esbarrou na retranca montada por Donadoni. Dali em
diante, os visitantes adiantaram a marcação e passaram a explorar as
deficiências defensivas da Beneamata, que, como sempre, contou com Handanovic
para manter o zero no placar. Com o meio-campo bem cercado, Álvarez apagado –
anulado pela marcação dupla, ora com Gobbi-Lucarelli, ora Gobbi-Parolo – e
Schelotto inoperante (mais uma vez, o ítalo-argentino foi muito vaiado), quem
apareceu novamente foi Jonathan.
Foi através do brasileiro, melhor opção ofensiva da Inter no jogo, que saiu o
único gol. Kovacic abriu para o lateral na direita, que passou para Rocchi marcar
aos 82 minutos o seu segundo gol pela Inter, o 101º na Serie A. Aliás, falando
em números, Handanovic completou 300 jogos em clubes italianos, enquanto Javier
Zanetti chegou a 1100 partidas oficiais em sua carreira – é o quarto jogador
com mais partidas na história do futebol, atrás de Peter Shilton (1390), Roberto
Carlos (1127) e Ray Clamence (1118). (Arthur Barcelos)

Roma 1-1 Pescara
Ao enfrentar o lanterna do campeonato, a vitória não poderia ser mais fácil. Se fosse para qualquer uma das outras 18 equipes da competição, talvez. Não para a Roma. O time romano ficou no empate em 1 a 1 com o Pescara, no Olímpico, e permaneceu fora da zona de classificação para competições europeias. Os golfinhos, sem Sculli, suspenso, e sete jogadores de fora por lesão, começaram melhor e tomaram a liderança da partida aos 14 minutos. Cascione arriscou de longe, Stekelenburg deu rebote e Marquinhos observou Caprari escorar para a rede. O meio-campista, negociado em co-propriedade com o Pescara, não comemorou o gol.

Destro entrou no intervalo, substituindo Florenzi, para empatar o jogo. Logo em seu primeiro lance, a Roma pediu pênalti no atacante, que trombou com Zanon dentro da área. Era a segunda penalidade contestada pela equipe da casa; na primeira etapa, a bola tocou na mão de Capuano e o árbitro, Davide Massa, deixou o jogo seguir. Aos 6 minutos, após escanteio, Cosic levou um couro da bola, De Rossi tocou cruzado e Destro finalizou, igualando o marcador. Pelizzoli salvou o Pescara logo na sequência, em tentativas de Totti e De Rossi. No outro gol, Stelekenburg fez uma grande defesa em chute de Di Francesco. A Roma, na próxima rodada, recebe o Siena, na capital; o Pescara, que acabou com a série de oito derrotas consecutivas, joga no Adriatico contra o Napoli. (MM)

Catania 1-1 Palermo
No dérbi siciliano, nada de muito espetacular até o 94º minuto de jogo. Em uma partida truncada, o Catania estava conseguindo chegar a seu recorde de pontos numa temporada da Serie A (precisa superar os atuais 48) e, de quebra, estava ajudando o grande rival Palermo a cair para a segundona. O gol de Barrientos, na metade da segunda etapa, deixava o clima tenso no estádio favorável aos cataneses. As faixas que diziam que o próximo dérbi que o Palermo jogaria seria contra o pequeno Trapani, time siciliano que pode subir à Serie B.

Porém, no último minuto dos acréscimos, Hernández desviou lançamento à área e Ilicic apareceu para empatar o jogo. No montinho de jogadores que celebravam o gol do esloveno, apareceu o goleiro Andújar, do Catania. Ele havia sido atingido na cabeça pelo paraguaio Barreto e resolveu revidar, derrubando-lhe no chão e lhe esmurrando na barriga. Expulso, o goleiro terá de cumprir três jogos de suspensão, assim como o zagueiro Bellusci, que também participou da confusão (veja vídeos aqui e aqui). Com isso e o desfalque de Spolli, os etnei estarão bem desfalcados contra o Milan, que terá o retorno de Balotelli. Já para o Palermo, o empate no finzinho deve ajudar na moral da equipe para o resto do campeonato. Terá injetado ânimo suficiente para evitar o rebaixamento? (NO)

Udinese 1-0 Lazio
Em Údine, a equipe de Guidolin venceu a Lazio e chegou a sua terceira vitória seguida, comprovando o bom momento. O autor do único gol do jogo, claro, foi Di Natale, 35 anos, que já soma 18 na competição e vê apenas o uruguaio Cavani à sua frente, com 23 gols marcados. O resultado credencia a Udinese a sonhar com uma vaga em competição europeia, algo que parecia impossível no início do ano. Com a mesma pontuação, os torcedores da Lazio não estão tão otimistas: a crise do time romano só aumenta e, com a derrota, a equipe foi ultrapassada pela rival Roma e caiu para a sétima colocação na tabela. Foram apenas duas vitórias nas últimas 13 partidas.

No jogo de sábado,  o primeiro tempo foi equilibrado, mas os donos da casa contaram com a boa forma de Di Natale para abrir o placar, mesmo sem mostrar superioridade. O atacante aproveitou bom cruzamento de Gabriel Silva, ex-Palmeiras, e mandou para o fundo das redes de Marchetti. Na segunda etapa, a Lazio se deixou ser comandada pela Udinese e viu os mandantes dominarem todo o tempo, mesmo não precisando do resultado. Nem a entrada de Hernanes e Ederson, no meio da etapa final, ajudaram e a Lazio ainda viu Di Natale quase ampliar em pelo menos duas oportunidades. (RA)

Bologna 1-1 Sampdoria
Jogando com uniforme verde, em homenagem ao Dia da Terra (mas também relembrando as cores usadas na temporada do seu primeiro scudetto, em 1925), o
Bologna recebeu a Sampdoria e não passou de um empate. Foi o quarto consecutivo
dos rossoblù e apenas o segundo ponto conquistado pela Samp nos últimos cinco
jogos, mas o ponto conquistado agradou ambos, pois deixou-os mais próximos da salvezza. Mas em campo, o empate não foi
o que as equipes buscaram. Com boas oportunidades dos dois lados, o jogo foi
muito movimentado e exigiu trabalho dos goleiros Curci e Romero.

Na primeira etapa, quem começou melhor foi o dono da casa, que abriu o placar aos 23 minutos, com Gilardino. Sozinho
dentro da área, ele só teve o trabalho de cabecear para o gol – um gol que ficará
marcado na história da Serie A por ser o de número 3000 do clube na história da
competição. Apesar de se manter melhor, o Bologna acabou levando o empate. Em
contra-ataque, a bola sobrou nos pés de Sansone, que chutou cruzado e rasteiro, indefensável
para Curci. Com 39 e 38 pontos, respectivamente, bologneses e blucerchiati
estão muito perto da salvação. (Caio Dellagiustina)


Genoa 1-1 Atalanta
No
Marassi,
jogo fraco e péssimo resultado para o Genoa. Sem vencer faz nove
rodadas (dois meses), o time de Ballardini não parece realmente reagir.
Mesmo
sob o apoio dos grifone, os anfitriões não passaram de um empate contra
uma
Atalanta já praticamente entregue no campeonato, com a salvezza próxima,
restando
cinco jogos pro fim do campeonato. Enquanto os lombardos se mantêm na
14ª
posição, com 38 pontos, os lígures ocupam a vice-lanterna, nove pontos
atrás – mesma pontuação do Palermo, e um ponto atrás do Siena.
As
principais jogadas deste jogo saíram através de bola parada. Logo aos cinco
minutos, Matuzalém levantou a bola na área e Floro Flores subiu mais alto para
abrir o placar. Dois minutos depois, foi a vez de Cigarini colocar a bola na
cabeça de Lucchini, obrigando Frey espalmar pro escanteio. Na cobrança,
Cigarini viu bem Del Grosso progredindo desde o meio de campo e deixou o
lateral em boas condições para acertar chute preciso da entrada da área.
Posteriormente, o Genoa bem que tentou, mas esbarrou nas suas próprias deficiências
– foram 17 finalizações e apenas quatro no alvo – três, logicamente, defendidas
por Consigli. (AB)

Siena 0-1 Chievo
Com risco de rebaixamento, o Siena entrou em campo precisando
da vitória contra o Chievo. Mas a pressão pelo resultado positivo atrapalhou os
comandados de Iachini, que pouco conseguiam produzir. As melhores chances
vieram dos pés de Rosina, primeiro em falta cobrada de falta defendida
magistralmente por Puggioni e depois em chute de longe em que novamente o
goleiro gialloblù teve trabalho. Já no final da primeira etapa, um duro golpe
para os bianconeri: em uma de suas raras chances, o Chievo abriu o placar com Pellisier.
Após contra-ataque, o atacante recebeu na área e deu um leve toque na saída de Pegolo para colocar
os veroneses em vantagem.

O Siena voltou melhor na segunda etapa e com menos de um
minuto, teve grande chance desperdiçada por Vergassola. Minutos depois, o gol
de empate saiu. Após cruzamento de Rosina, o defensor Paci subiu mais e
cabeceou para o gol. Em um primeiro momento o árbitro Paolo Valeri confirmou o
gol, mas após informação do árbitro de fundo, anulou o tento erroneamente, alegando falta do
zagueiro do Siena. O
Chievo ficou perto do segundo gol, mas parou em Pegolo, enquanto o Siena
entrou em desespero e pouco criou. A vitória praticamente garantiu o Chievo na
elite italiana e complicou o Siena, que contou com os empate de Palermo (1-1
Catania) e Genoa (1-1 Atalanta) para se manter fora da zona de rebaixamento,
mas com a diferença diminuindo para apenas um ponto. (CD)
Relembre a 32ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da 33ª rodada
Handanovic (Inter), Benatia (Udinese), Capuano (Pescara), Chiellini (Juventus); Cuadrado (Fiorentina), Behrami (Napoli), Kovacic (Inter), Santana (Torino), Armero (Napoli); Di Natale (Udinese), Pandev (Napoli). Técnico: Francesco Guidolin (Udinese).

Deixe um comentário