Copa do Mundo

Balanço: os jogadores da Serie A na Copa do Mundo

Sem a Itália na recém-terminada Copa do Mundo de 2018, o que sobra para um site especializado em futebol italiano? Analisar a participação dos jogadores da Serie A na competição, é claro.

O campeonato do Belpaese cedeu 58 atletas para 21 das 32 seleções que disputaram o torneio na Rússia e consagrou um campeão mundial: Blaise Matuidi, da Juventus. A Serie A também contou com dois dos maiores destaques da competição, os atacantes Ivan Perisic e Mario Mandzukic, vice-campeões com a Croácia. Os dois croatas também foram os jogadores do campeonato que mais ficaram em campo na Copa – 632 minutos para o primeiro e 612 para o segundo.

Os croatas também colaboraram com estatísticas encabeçadas por clubes italianos. Graças a Perisic e Marcelo Brozovic, a Inter teve representantes em campo numa final de Copa do Mundo pela décima vez consecutiva: desde 1982, as decisões contam com ao menos um jogador da Beneamata e do Bayern de Munique, algo inédito. Além disso, a própria equipe nerazzurra é aquela cujos atletas mais anotaram gols em finais de Copas – com o gol de Perisic, são oito. Logo em seguida vem a Juventus, que chegou a seis após o tento de Mandzukic.

O nosso balanço está dividido em cinco categorias de desempenho: excelente, bom, regular, ruim e “vítimas do sistema”. Esta última é dedicada a jogadores que não entraram em campo ou foram utilizados a conta-gotas na competição.

Excelente desempenho
Torreira (Uruguai/Sampdoria), Laxalt (Uruguai/Genoa), Perisic (Croácia/Inter) e Mandzukic (Croácia/Juventus)

Perisic, da Inter e da Croácia (AFP)

Após uma temporada em altíssimo nível na Serie A, Perisic e Mandzukic continuaram a se destacar na Rússia. Os dois terminaram a Copa como artilheiros da Croácia (três gols cada) e também se tornaram os segundos maiores goleadores de seu país em Mundiais (ambos marcaram cinco, um a menos que Davor Suker). Cresceram na reta final da competição e, evidentemente, nem de longe os lances acidentais da final apagam a ótima forma mostrada na competição – até porque, vale lembrar, os dois deixaram sua marca também contra os franceses.

Outros dois jogadores do Campeonato Italiano que fizeram grande Copa do Mundo foram os uruguaios Torreira e Laxalt. A dupla ganhou a titularidade na terceira rodada da fase de grupos e mudou o ritmo do time de Óscar Tabárez, eliminado nas quartas pela campeã mundial.

Bom desempenho
Cáceres (Uruguai/Lazio), Vecino (Uruguai/Inter), Bentancur (Uruguai/Juventus), Matuidi (Juventus), Hallfredsson (Islândia/Udinese), Brozovic (Croácia/Inter), Miranda (Brasil/Inter), Behrami (Suíça/Udinese), Dzemaili (Suíça/Bologna), Milenkovic (Sérvia/Fiorentina), Kolarov (Sérvia/Roma), Koulibaly (Senegal/Napoli) e Cuadrado (Colômbia/Juventus)

Brozovic, da Inter e da Croácia (AP)

Entre os muitos jogadores da Serie A que fizeram uma boa Copa, os maiores destaques ficam por conta de Matuidi e Brozovic, que ganharam posição no decorrer do torneio e possibilitaram importantes mudanças táticas em suas seleções. Brozo, inclusive, se destacou por uma característica que raramente mostrou na Inter: a quantidade de quilômetros percorridos durante as partidas.

Surpreende o número de jogadores eliminados na primeira fase neste patamar. Entre eles, dois tiveram grandes atuações, parando craques mundiais na rodada inaugural: Hallfredsson anulou Lionel Messi e Behrami colocou Neymar no bolso.

Desempenho regular
Benatia (Marrocos/Juventus), Stryger Larsen (Dinamarca/Udinese), Strinic (Croácia/Sampdoria), Badelj (Croácia/Fiorentina), Pjaca (Croácia/Juventus), Alisson (Brasil/Roma), Douglas Costa (Brasil/Juventus), Lichtsteiner (Suíça/Juventus), Rodríguez (Suíça/Milan), González (Costa Rica/Bologna), Milinkovic-Savic (Sérvia/Lazio), Ljajic (Sérvia/Torino), Krafth (Suécia/Bologna), Hiljemark (Suécia/Genoa), Lee Seung-woo (Coreia do Sul/Verona), Mertens (Bélgica/Napoli), Bereszynski (Polônia/Sampdoria), Kownacki (Polônia/Sampdoria) e Niang (Senegal/Torino)

Alisson, da Roma e do Brasil (EPA)

Neste patamar encontram-se jogadores que não se destacaram: nem comprometeram nem fizeram grande Mundial. Alguns dos atletas supracitados, porém, poderiam ter sido mais importantes para suas seleções. Nos referimos especificamente a Alisson, Milinkovic-Savic e Mertens, grandes destaques da Serie A. O baixinho belga até estreou com gol diante do Panamá, mas caiu de produção ao longo da Copa e foi um dos sacrificados por Roberto Martínez na tentativa de equilibrar o time belga.

Menos produtivas foram as atuações dos dois primeiros citados. Na Rússia, o goleiro da Roma foi bem protegido pelo ótimo sistema defensivo da Seleção e nada pode fazer quando este muro ruiu – na bola aérea, contra Suíça e Bélgica, e no contra-ataque fulminante dos Diabos Vermelhos. Acabou terminando a Copa do Mundo sem nenhuma defesa. Milinkovic-Savic, rival de Alisson na Cidade Eterna e na fase de grupos, foi tardiamente integrado ao elenco da Sérvia e sofreu para se adaptar no Mundial, no qual realizou funções diferentes das que está acostumado a executar na Lazio. Só foi bem mesmo contra a Costa Rica.

Desempenho ruim
André Silva (Portugal/Milan), Cornelius (Dinamarca/Atalanta), Fazio (Argentina/Roma), Biglia (Argentina/Milan), Higuaín (Argentina/Juventus), Kalinic (Croácia/Milan), Khedira (Alemanha/Juventus), Szczesny (Polônia/Juventus), Thiago Cionek (Polônia/Spal), Zielinski (Polônia/Napoli) e Milik (Polônia/Napoli)

Kalinic, do Milan e da Croácia (Getty)

Como era de se esperar, presença em peso de argentinos e poloneses na lista. É importante notar a presença inesperada de três jogadores da Juventus, heptacampeã italiana. Higuaín deixa o Mundial (e a seleção?) sem marcar um gol sequer, Khedira foi um dos piores na pífia campanha alemã (fez dois jogos muito ruins e acabou substituído precocemente em ambos) e Szczesny levou cinco gols na Rússia. Além disso, falhou em dois deles e retornará a Turim pressionado pela sombra de Mattia Perin.

Por sua vez, o milanista Kalinic proporcionou o mico da Copa do Mundo e, por isso, foi classificado na lista dos que tiveram participação ruim mesmo sem ter entrado em campo. O atacante se negou a entrar em campo nos minutos finais da vitória da Croácia sobre a Nigéria, alegando dor nas costas, e foi cortado do grupo por Zlatko Dalic. Com isso, não fez parte da histórica campanha da seleção eslava.

Vítimas do sistema
Mário Rui (Portugal/Napoli), Reina (Espanha/Napoli), Ansaldi (Argentina/Torino), Dybala (Argentina/Juventus), Obi (Nigéria/Torino), Simy (Nigéria/Crotone), Freuler (Suíça/Atalanta), Helander (Suécia/Bologna), Rohdén (Suécia/Crotone), Linetty (Polônia/Sampdoria), Gomis (Senegal/Spal) e Zapata (Colômbia/Milan)

Dybala, da Juventus e da Argentina (AP)

Dois dos jogadores dessa lista foram verdadeiras vítimas da teimosia dos seus treinadores: Dybala e Linetty. A joia da Juventus ganhou apenas 22 minutos de Jorge Sampaoli em toda a Copa do Mundo, na derrota por 3 a 0 contra a Croácia. No restante do torneio, foi preterido por jogadores como Enzo Pérez e Maxi Meza. Absurdo.

Na Polônia, Linetty também sofreu com o treinador. Adam Nawalka não levou em consideração a ótima temporada do meio-campista pela Sampdoria e morreu abraçado a Jacek Góralski e Grzegorz Krychowiak – este último, ótimo jogador, mas em má fase há algum tempo. Não à toa, os polacos perderam em criação, qualidade no passe e combate no setor, concluindo a Copa com um futebol decepcionante.

Bônus: seleção da Copa do Mundo
Courtois (Bélgica); Vrsaljko (Croácia), Varane (França), Vida (Croácia), Laxalt (Uruguai); Kanté (França), Modric (Croácia); Hazard (Bélgica), Griezmann (França), Perisic (Croácia); Mbappé (França). Técnico: Deschamps (França).

Reservas: Pickford (Inglaterra), Schmeichel (Dinamarca), Mário Fernandes (Rússia), Trippier (Inglaterra), Godín (Uruguai), Thiago Silva (Brasil), Pogba (França), Rakitic (Croácia), Cheryshev (Rússia), Mandzukic (Croácia), Lukaku (Bélgica), Cavani (Uruguai).

Este artigo foi enviado ontem para os assinantes da Calciopédia Pro. Clique aqui para conhecer e obter o serviço.

Deixe um comentário