Liga Europa

Grande dia: Napoli se aproxima das quartas da Europa League e Inter fica satisfeita com empate

Em duas das partidas mais esperadas da fase de oitavas de final da Liga Europa, Napoli e Inter apresentaram níveis de atuações bem distintos. O time de Carlo Ancelotti conseguiu se impor diante do bom elenco do Red Bull Salzburg, encaminhando sua classificação. Já os comandados de Luciano Spalletti jogaram muito mal na segunda etapa e precisam comemorar o fato de voltar para a Itália sem ter sofrido gols do Eintracht Frankfurt, melhor ataque da competição.

Jogando para mais de 32 mil pessoas em um San Paolo pulsante e participativo, o Napoli entrou em campo um tanto nervoso e viu o Salzburg começar forte a partida, através das saídas em condução com Samassékou. Entretanto após 8 minutos fortes dos visitantes, o jogo virou e o time de Ancelotti construiu sua vitória por 3 a 0.

A chave para o triunfo napolitano foi a subida das suas linhas para pressionar, com Allan liderando esses movimentos ofensivos. Aos 10 minutos de jogo, o primeiro gol dos donos da casa: recuperação em campo ofensivo, passe espetacular de Mertens para Milik, que driblou o goleiro Walke para marcar.

Após o 1 a 0, o jovem time do Salzburg perdeu seu equilíbrio na partida, errou cada vez mais passes em campo ofensivo e acabou por facilitar a vida do time partenopeo. Aos 18 minutos de jogo, Schlager fracassou mais uma vez ao manter a posse de bola em campo defensivo e o Napoli não perdoou. Cruzamento de Callejón e Ruiz pegou de primeira para fazer o segundo.

O jogo entrou em um ritmo mais controlado após os 20 minutos, com o Napoli utilizando sempre Zielinski sendo para receber a bola pelo lado esquerdo e conduzir por dentro. Embora tenha sofrido menos, já que os azzurri preferiram dar cadência a suas ações e monopolizar a posse de bola, o Salzburg jamais esteve confortável em campo no primeiro tempo.

O segundo tempo começou com um cenário parecido ao da primeira parte, com os austríacos em cima, pressionando com Wolf, tendo Samassékou como diretor ofensivo e Dabbur aparecendo para jogar no pivô. Contudo, novamente erros individuais acabaram por sepultar uma tentativa de reação dos visitantes. O jovem zagueiro Onguéné, que havia falhado no primeiro tento, tentou cortar um cruzamento vindo do lado esquerdo e acabou fazendo um gol contra bizarro.

O cenário era o melhor possível para o time azzurro, que tinha espaço para transitar com Callejón e Mário Rui e ainda contava com um Milik em boa forma. Apesar disso, o jogo acabou por entrar em um ritmo perigoso para o Napoli após os 75 minutos, por causa das boas mudanças do treinador Marco Rose.

O Red Bull Salzburg cresceu frente a uma equipe desgastada e só não diminuiu a vantagem graças a uma boa jornada de Meret – o jovem goleiro italiano fez ao menos duas grandes defesas. No fim das contas, o 3 a 0 foi mantido e o torcedor napolitano pode ir dormir depois de uma grande noite e vaga quase garantida nas quartas de final da Liga Europa.

(Getty)

Na Commerzbank-Arena, lotada com 48 mil pessoas, a Inter entrou em campo para um duelo dificílimo frente a um dos ataques mais letais da Europa. Sem poder contar com Nainggolan, lesionado de última hora, e com seu artilheiro Icardi ainda afastado, o time de Spalletti começou bem a partida.

O Frankfurt joga em esquema tático bastante comum na Serie A: o 3-5-2, que dá muito peso para a dupla de ataque. Contudo, o fato do conjunto alemão ser mais pautado na força física e menos na dinâmica ofensiva facilitou a vida de uma Inter que sofreu bastante quando enfrentou equipes que utilizam sistemas similares – como a Atalanta.

Nos minutos iniciais, a Beneamata controlou bem o pivô de Haller, que foi anulado por De Vrij e não conseguiu receber jogo direto. Ainda que sobrecarregado pela falta de ajuda na saída de bola, Brozovic também foi capaz de ativar Politano em campo ofensivo e o ponta nerazzurro esteve muito bem no primeiro tempo, sendo crucial com seus dribles e conseguindo quatro passes para finalização.

Spalletti teve duas notícias nada animadoras ainda no primeiro tempo: Asamoah e Lautaro receberam cartão amarelo, e como estavam pendurados, perdem o jogo de volta. Com muitos lesionados e sem poder inscrever alguns dos reforços recentes na Liga Europa, devido ao Fair Play Financeiro, o treinador italiano deve ter dificuldades para escalar o time na volta no San Siro, e pode acabar até mesmo promovendo a reintegração de Icardi. Com seu cobrador oficial de pênaltis barrado, os nerazzurri desperdiçaram a chance da vitória na Alemanha. Aos 22 minutos, na única chance de real perigo do primeiro tempo, Martínez foi derrubado, mas Brozovic telegrafou a finalização e Trapp defendeu.

O cenário mudou completamente na volta para o segundo tempo. Se Kostic esteve bem controlado por D’Ambrosio na primeira etapa, o segundo tempo teve um festival de chances criadas pelo ala croata no setor esquerdo, nas quais sempre buscava cruzamentos para Haller e Jovic. Com Borja Valero bastante desgastado, o time de Spalletti pouco passava da zona central e apenas resistia à carga rubro-negra, graças a uma boa partida defensiva de Vecino e da dupla de zagueiros.

Aos 60 minutos, outra notícia preocupante para os italianos: Perisic saiu lesionado, após sentir a panturrilha em uma arrancada. Spalletti tentou ajustar o time, com Cédric entrando no lugar de Borja Valero e Asamoah avançado ao meio campo, mas a alteração não funcionou muito bem e os 15 minutos finais foram de enorme sufoco para os nerazzurri.

O Frankfurt avançou suas linhas, buscou cruzamentos e muito jogo direto, criando finalizações, mas concluiu mal. Handanovic trabalhou algumas vezes, mas sem de fato realizar uma grande defesa.
Devido aos desfalques que tinha e ao que foi a segunda parte na Alemanha, a Inter retorna à Itália com um bom resultado e vai jogar por uma vitória simples diante de seu torcedor.

1 comentário

  • Já adiantando a Inter pra volta: Handanovic; Cedric, Skriniar, De Vrij, D’Ambrosio; Brozovic, Vecino; Politano, Valero, Keita; Icardi (Ranocchia).

    De linha o unico que sobrou sem ser primavera foi Miranda se não me falha a memória.

Deixe um comentário