Serie A

4ª rodada: O despertar dos artilheiros

Contra o Bari, Milito desencantou. E não só ele: Di Natale, Gilardino, Maxi López,
Ibrahimovic e Crespo também marcaram pela primeira vez na temporada (Reuters)
O decepcionante começo de temporada de Milito criava diversos boatos. O maior deles, criado justamente pelo seu empresário, dizia que o atacante estava com “saudades de José Mourinho” e poderia seguir para o Real Madrid. Contra o Bari, o argentino marcou dois gols, ajudou a colocar a Inter isolada na ponta já na quarta rodada do campeonato e mudou a rota de sua temporada. Entre os artilheiros adormecidos, só Maxi López e Crespo também tiveram bons motivos para comemorar.
Inter 4-0 Bari
Depois de 360 minutos de jogo, o campeonato finalmente reencontra sua líder habitual. Contra o Bari, Eto’o marcou duas vezes e Milito outras duas. Nada mal para um time que suspirou aliviado logo aos 22 segundos de jogo, quando Almirón acertou uma bola na trave. A defesa do Bari não é nem sobra da que foi na temporada passada, principalmente a partir da improvisação de Pulzetti na lateral-direita. Por ali, Eto’o fez a jogada para Milito marcar pela primeira vez depois da final da Liga dos Campeões. No melhor jogo da temporada nerazzurra até aqui, a goleada foi construída com facilidade: depois do toque infantil de mão de Angella, no jogo com a Udinese, foi a vez de Rossi jogar vôlei na área. E não demorou para que Lúcio fosse derrubado na área. Com os dois pênaltis de Eto’o, a Milito só coube fechar o placar em um contra-ataque letal.

Lazio 1-1 Milan

A cena mais bela no Olímpico ocorreu antes do início do jogo: foi a primeira vez que a águia da Lazio levantou voo e passeou pelo estádio antes de uma partida, algo que se tornará habitual a partir de agora. Dentro de campo, o time surpreendeu em um inédito 4-2-3-1, com Cavanda na lateral-direita e os retornos de Foggia e Floccari. O 4-3-3 do Milan apareceu com um novo experimento: com Robinho longe das melhores condições, Boateng foi (mal) improvisado no ataque e Gattuso ganhou posição no meio-campo. Ibrahimovic foi essencial e marcou o gol rossonero em uma falha de Muslera na saída do gol. O empate surgiu em um dos inúmeros bons lances de Hernanes, definitivamente adaptado à Lazio. O Milan continua sofrendo bastante em suas laterais, o que é provado a cada rodada. Além disso, domina os jogos com facilidade, mas não sabe o que fazer com a bola. Quando Ronaldinho não joga bem, como hoje, fica de pés atados.

Brescia 2-1 Roma

Claudio Ranieri tem dito que milagres como os da última temporada são difíceis de acontecer. Em um time sem seis titulares, é de se esperar que os problemas para se chegar ao céu sejam ainda maiores. Sem tanta gente, o técnico tem recorrido até a Cicinho e Júlio Baptista, que haviam sido afastados no início da temporada. Pois o lateral brasileiro conseguiu se sair melhor que Rosi, atual (e provável ex-) dono da posição, que arriscou a expulsão em dois lances e falhou no primeiro gol do time da casa. O time vive uma crise inédita nos últimos anos e perdeu a partida e os nervos para um Brescia que alcançou a segunda posição na Serie A. O jogo foi decidido com o gol de Hetemaj e em um pênalti mal marcado de Mexès sobre Éder – o lance custou a expulsão do francês, que saiu incontrolável de campo. Na próxima rodada, a Roma enfrenta a Inter – provavelmente sem Julio Sergio, que se lesionou hoje. Milagres estão cada vez mais difíceis?

Napoli 1-3 Chievo

O meio-campista Constant vinha fazendo uma boa partida em sua estreia na Serie A. O Napoli abriu o placar com o capitão Cannavaro, mas o guineense logo deu o passe para o capitão Pellissier empatar, com um golaço. Mas Stefano Pioli o tirou de campo e colocou Gelson Fernandes, que vinha de atuações ruins pelos burros alados. E foi justamente de Fernandes o segundo gol, que desastabilizou o Napoli e permitiu a falha absurda de Cannavaro para o terceiro. A opção de Walter Mazzarri em manter os titulares da vitória sobre a Sampdoria é bem mais questionável. O time logo se cansou e, em casa, se entregou ao Chievo.

Catania 2-0 Cesena

Depois de dormir na liderança, o Cesena acordou assustado e não conseguiu se encontrar em campo para reverter os dois gols de um Catania cada vez mais latino: dez argentinos entre titulares e banco. E é claro que os gols foram albicelestes, de Silvestre e Maxi López. O artilheiro rosazzurro da última temporada marcou pela primeira vez contra o time que ainda não tinha sofrido gols. Tal como o Napoli, o Cesena sentiu o cansaço: Ficcadenti escalou o mesmo time titular nas quatro rodadas até aqui.

Lecce 1-1 Parma

Para o outro atacante que reencontrou o gol, bastou uma oportunidade. Crespo só tocou na bola uma vez, aproveitando cruzamento de Angelo, e empatou a partida. O gol do Lecce foi feito pelo estreante Jeda, 100 jogos pela Serie A e primeiro pelo Lecce, o único brasileiro a marcar nos nove jogos do dia. Piatti e Giacomazzi foram decisivos para que o Lecce segurasse o jogo por tanto tempo. Para a sorte dos giallorossi, Giovinco foi substituído no intervalo com um desconforto muscular – era o melhor em campo até então.

Genoa 1-1 Fiorentina

Intensidade não quer dizer qualidade. Genoa e Fiorentina provaram isso e continuam em situação delicada, ambos com risco de perder os treinadores nos próximos dias. Quem mais balança é Sinisa Mihajlovic, que só não viu a Fiorentina perder a terceira seguida por conta de uma espetacular atuação de Frey e de um gol de Gilardino. O atacante da Nazionale aproveitou cruzamento de Vargas que Mesto desviou contra o próprio gol, de costas, mas o próprio Mesto se redimiu transformando em gol uma boa tabela com Miguel Veloso. O Genoa bem que tentou a virada, mas sempre parou em Frey. Não se surpreenda se o primeiro técnico a cair na temporada for o de alguma das duas equipes.

Cagliari 0-0 Sampdoria

Sem Cassano, poupado para o fim de semana, as melhores chances ficaram nos pés e na cabeça de Pazzini, que não conseguiu furar o bloqueio do bom goleiro Agazzi. De nada adiantou a ofensividade do surpreendente 4-2-1-3 armado por Pierpaolo Bisoli. O jovem Ragatzu e o brasileiro Nenê, improvisados pelos lados, não foram bem. É o terceiro empate sem gols do Cagliari na Serie A, em quatro jogos. Na única partida em que sofreu gols, marcou cinco vezes na Roma.

Bologna 2-1 Udinese

Continua o inferno da Udinese, quatro jogos e quatro derrotas, que se preparou mal para o campeonato e paga em campo por suas falhas. Também paga pelo ambiente ruim nos vestiários, com as discussões entre Di Natale, dono do time, e Francesco Guidolin, técnico recém-chegado e que já pode sair. O capitão insiste em jogar no comando do ataque, mas continua deslocado pelo lado direito. Foi ali que surgiu o gol friulano e parecia que o inferno estava com os dias contados. Mas Di Vaio deu o passe para um gol e fez o outro – mais um nos acréscimos, assim como contra a Roma. Impressiona o poder de reação do Bologna, algo comum em times comandados por Alberto Malesani.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 4ª rodada, clique aqui.

Para relembrar a 3ª rodada, clique aqui.

1 comentário

  • Arbitragem atrapalhou bem a Roma nesse jogo no lance do Mexes, mas a Roma deu sorte de não ter expulsado o Rosi antes…

    Na fase que esse time tá, o primeiro técnico que tem que ser demitido é o Ranieri mesmo.

    Abraços e parabéns para o blog

Deixe um comentário