Serie A

23ª rodada: os reis dos recordes

Cada vez mais, Napoli e Juventus deixam o restante da Serie A comendo poeira. A 23ª rodada foi mais um show à parte das duas equipes, que venceram de novo e mantiveram seu espaço cativo entre as cinco equipes com maior média de pontos na temporada europeia: a Juve é a quinta e o Napoli é o terceiro. Mais atrás, com menção honrosa, está a Lazio (10ª posição), mas o tropeço nesta segunda depõe contra o comandados de Inzaghi. A rodada teve ainda empates para Inter, Milan, Sampdoria e Torino e vitórias de Roma e Fiorentina. Confira o resumo.

Benevento 0-2 Napoli
Mertens (Allan) e Hamsík (Callejón)

Tops: Allan e Callejón (Napoli) | Flops: Venuti e Costa (Benevento)

Antes desta temporada, Napoli e Benevento haviam se enfrentado em jogo de campeonato pela última vez em 2005, na terceira divisão. No encontro entre campanos, o líder não repetiu a grande atuação do primeiro turno, mas fez o suficiente para superar o Benevento e responder à Juventus, que havia goleado mais cedo. Melhor do que isso, o time de Sarri igualou a Inter de 2006-07 e a Juventus de 2013-14, com  60 pontos em 23 rodadas – é a terceira melhor média de pontos entre as principais ligas europeias, atrás somente de Manchester City e Barcelona. É um novo Napoli, que não tem tido grande volume de jogo e apresentações mágicas, mas tem pontuado e vencido como nunca. Ainda que a Juventus siga na cola, enfim os partenopei adquiriram maturidade após anos batendo na trave.

Em seu primeiro jogo após o fechamento da janela de transferências, os anfitriões contaram com as estreias de Puggioni e Sandro. O volante brasileiro recebeu logo a braçadeira de capitão, mas quem brilhou foi outro compatriota que joga na mesma posição: Allan. Depois de inúmeras chances perdidas, inclusive com bola na trave de Insigne, os visitantes abriram o placar com Mertens, que encobriu o goleiro depois de receber do camisa 5. Logo após o intervalo, Allan aproveitou o passe errado de Venuti e lançou Callejón na direita; o espanhol cruzou rasteiro para Hamsík fechar o placar na segunda trave. O Benevento não se deu por entregue e tentou competir, mas foram poucas as oportunidades de perigo, como no pênalti corretamente não marcado de Koulibaly em Costa: houve a falta, mas a posição irregular de Sandro invalidou o lance. O time de De Zerbi se aproxima cada vez mais do rebaixamento, já que agora está 13 pontos atrás do Crotone e também continua distante de Verona e Spal.

Higuaín deu show na goleada da Juve contra o Sassuolo (Getty)

Juventus 7-0 Sassuolo
Alex Sandro, Khedira (Alex Sandro), Khedira (Pjanic), Pjanic (Khedira), Higuaín (Bernardeschi), Higuaín (Marchisio) e Higuaín (Bernardeschi)

Tops: Higuaín e Khedira (Juventus) | Flops: Lemos e Peluso (Sassuolo)

Se na Serie A contemporânea de 20 clubes e três pontos por vitória ninguém pontuou tanto quanto o atual Napoli, nenhum segundo colocado também somou tantos quanto a Juventus de hoje. Na cola do rival, a Velha Senhora não teve misericórdia do Sassuolo, clube com que mantém laços estreitos no mercado, e aplicou a maior goleada do campeonato. Depois do gol decisivo contra a Atalanta, Higuaín aproveitou o final do jogo para marcar a primeira tripletta com a camisa da Juve em um jogo que também teve Khedira, Pjanic, Alex Sandro, Bernardeschi e até o sumido Marchisio como protagonistas. Por sua vez, o time de Iachini não vence há cinco rodadas desde a boa sequência em dezembro e viu o uruguaio Lemos estrear mal no centro da zaga.

A porteira foi aberta por Alex Sandro no oitavo minuto, após um bate-rebate na área. O brasileiro também participou do segundo gol, desviando escanteio de Pjanic e acionando Khedira na segunda trave. Inclusive, dos pés do bósnio e do alemão vieram os outros dois gols, que fecharam a contagem no primeiro tempo. Lançado em profundidade por Pjanic, Khedira não teve trabalho para avançar e tocar na saída de Consigli. Dessa vez lançado por Marchisio, o alemão devolveu a assistência para o bósnio, que chutou forte da entrada da área. Com o jogo decidido, foi a vez de Higuaín entrar em ação e fazer mais três na etapa final. Após receber de Bernardeschi, o argentino girou e marcou o primeiro de fora da área. O segundo veio após novo lançamento de Marchisio, que participou pela primeira vez diretamente de um gol na temporada. Por último, o camisa 9 bianconero recebeu passe precioso de Bernardeschi e fechou a conta. Foi o terceiro 7 a 0 que o Sassuolo recebeu desde sua estreia na Serie A, quatro anos atrás.

Lazio 1-2 Genoa
Parolo (Cáceres) | Pandev e Laxalt (Hiljemark)

Tops: Pandev e Laxalt (Genoa) | Flops: Patric e De Vrij (Lazio)

Vai uma lei do ex aí? Então chame Goran Pandev! Desde a saída conturbada da Lazio no final de 2009, o macedônio tem sido um terror para sua ex-equipe e as vaias no Olímpico não foram o bastante para evitar sua nova vingança. O gol que abriu o placar da quente partida foi o sexto do veterano atacante contra os laziale (e apenas seu segundo na temporada). Aos 10 do segundo tempo, Pandev aproveitou falha de De Vrij para comemorar à vontade com a torcida grifone presente na capital. A vantagem visitante, entretanto, durou pouco, e cinco minutos depois Parolo empatou ao completar cruzamento do estreante Cáceres.

Mas não era o dia da Lazio, que apesar do volume de jogo e a insistência de Luis Alberto, pouco assustou Perin. As entradas de Nani e Felipe Anderson também não tiveram o resultado esperado. Na reta final do cotejo, Laxalt teve gol anulado, o que gerou alguma revolta do Genoa. No entanto, o uruguaio voltou a aparecer na área anfitriã e, após distração de Patric, finalizou de cabeça outra jogada de Hiljemark, que voltou ao time em grande forma após passagem apagada pelo Panathinaikos. Curiosamente, graças a dois ex-interistas, o time de Inzaghi tornou a tropeçar e não aproveitou a sequência de empates da rival de Milão – pelo contrário, já que a vantagem da Lazio diminuiu nas últimas duas rodadas. Depois de duas derrotas seguidas, os genoveses voltaram a abrir vantagem para a zona de rebaixamento.

Inter 1-1 Crotone
Éder (Brozovic) | Barberis (Trotta)

Tops: Éder (Inter) e Barberis (Crotone) | Flops: Perisic (Inter) e Faraoni (Crotone)

Sem novidades no San Siro. A torcida compareceu, e a Inter não venceu. Já são dois meses e dez partidas sem vitórias para o time de Spalletti, que tem tentando de tudo ao seu alcance para mudar o cenário, mas sem encontrar respostas dos jogadores. A partida acabou protagonizada pelo encontro dos velhos amigos Éder e Zenga, uma vez que o ítalo-brasileiro, que acabou na Inter após grande desempenho sob o comando do treinador na Sampdoria, foi o melhor em campo e autor do gol que abriu o placar. Por fim, o ex-goleiro interista fez a festa com a torcida nerazzurra e saiu da sua antiga casa com um grande resultado para o Crotone.

Apesar das mudanças no sistema tático, uma coisa Spalletti não mudou: a dependência pelas jogadas laterais, e com Candreva e Perisic em péssima fase, a Inter custou para criar oportunidades, mesmo com a insistência de Éder e a boa participação dos defensores, em especial dos zagueiros Skriniar e Miranda. O Crotone não se entregou depois do gol no primeiro tempo e ameaçou a meta anfitriã algumas vezes, finalmente chegando ao empate após jogada confusa que levou ao gol de Barberis. No final, o jogo não se desenrolou e nem mesmo a boa partida de Rafinha evitou outro tropeço para a Inter, que, entretanto, segue na quarta posição, agora com um ponto de vantagem para a Roma e um atrás da Lazio.

Mesmo em crise, Inter ainda segura 4ª posição (Ansa)

Verona 0-1 Roma
Ünder (Pellegrini)

Tops: Caracciolo (Verona) e Fazio (Roma) | Flops: Büchel (Verona) e Pellegrini (Roma)

Se a Inter tropeçou novamente, a Roma voltou a vencer após sete partidas. Havia um mês e meio que o time de Di Francesco não comemorava ao apito final do árbitro e aproveitou para encostar na rival na briga pela última vaga para a Liga dos Campeões, diminuindo a diferença para apenas um ponto. A partida em Verona não foi dos sonhos, já que os anfitriões proporcionaram alguns sustos e muito trabalho para os zagueiros giallorossi, mas ao menos a equipe romana voltou a ter volume de jogo, mesmo que falhando na pontaria.

Para voltar a vencer, o treinador romanista mudou o sistema tático pela primeira vez, adiantando Nainggolan e criando mais apoios para Dzeko, como no time de Spalletti, que curiosamente tem jogado na Inter nas últimas rodadas como Di Francesco. Mas o que realmente condicionou o jogo foi o gol de Ünder com menos de um minuto: o turco aproveitou perda de bola de Büchel para marcar seu primeiro (e belo) gol pela Roma em um chute da entrada da área. Depois, a Roma seguiu no controle e teve algumas boas oportunidades para ampliar o placar, em especial Dzeko, que parou três vezes em Nícolas. Do outro lado, Fazio e Manolas tiveram que trabalhar contra o jogo direto do Verona e asseguraram a vitória na etapa final, mesmo depois que Pellegrini foi expulso. Na verdade, mesmo com um a menos, a Roma teve chances para ampliar e só não o fez graças às boas defesas de Nícolas.

Udinese 1-1 Milan
Donnarumma (contra) | Suso (Kessié)

Tops: Lasagna (Udinese) e Suso (Milan) | Flops: De Paul (Udinese) e Calabria (Milan)

Segue o calvário do Milan em Údine: seja como for, com a Udinese em baixa nos últimos anos, o Diavolo raramente consegue vencer no Friuli. Aquela que seria sua primeira vitória no estádio desde a sua reforma, em 2016, acabou frustrada por um gol contra de Donnarumma após a expulsão de Calabria. Destaque na vitória contra a Lazio, o jovem lateral recebeu dois amarelos e terminou a partida mais cedo, afetando diretamente na reação dos donos da casa, que pressionaram até o empate. O resultado tirou dois pontos que deixariam o Milan na cola da Sampdoria e fez os rossoneri serem ainda ultrapassados pela Atalanta. O time milanês está na oitava posição, seguido exatamente pela Udinese.

De início, o time de Gattuso foi melhor, principalmente a partir das jogadas construídas por Kessié e Suso, enquanto Bonaventura, Çalhanoglu e André Silva destoaram e jogaram em outro ritmo, ficando facilmente marcados pela retranca de Oddo. O técnico da Udinese (que tal qual Gattuso foi campeão mundial em 2006), aliás, deixou Lasagna bastante isolado. Mas, mesmo assim o atacante conseguiu lutar e criar problemas para a defesa visitante. E tudo mudou no segundo tempo, quando com um a mais e Maxi López preso na área, o atacante italiano teve mais espaço para correr e, inclusive, criar o gol de empate. Após receber em profundidade, Lasagna tentou cruzamento para a marca do pênalti e viu o desvio em Bonucci trair Donnarumma, que não reagiu a tempo e acabou marcando contra. Apesar disso, o goleiro ainda fez pelo menos três defesas cruciais para arrancar ao menos um tempo fora de casa.

Bologna 1-2 Fiorentina
Pulgar | Mirante (contra) e Chiesa (Badelj)

Tops: Chiesa e Gil Dias (Fiorentina) | Flops: Mirante e De Maio (Bologna)

No único clássico da rodada, mais uma vez deu a Fiorentina no Derby dell’Appennino. Desde 2013 o Bologna não sabe o que é vencer o rival da Toscana e nesse domingo chegou à sua oitava derrota consecutiva no duelo. O mais curioso da partida, no entanto, foram os dois gols olímpicos marcados em um intervalo de três minutos, embora o primeiro, a favor dos viola, tenha sido assinalado para Mirante, contra. Seu companheiro de profissão, Sportiello, também teve saída terrível na cobrança de Pulgar, que empatou a partida no final do primeiro tempo. Caso a liga não tivesse corrigido a autoria do primeiro gol, teria sido a primeira vez na história que uma mesma partida da Serie A registraria dois gols olímpicos.

Em partida equilibrada e com grandes oportunidades para as duas equipes, a joia Chiesa fez uma grande jogada e deu a primeira vitória do time de Pioli após um mês. Lançado por Badelj, o filho de Enrico deu um drible da vaca em Helander, uma finta de corpo em De Maio na frente da pequena área e soltou o pé esquerdo no ângulo de Mirante. Três pontos que voltaram a aproximar a Fiorentina da zona europeia, graças aos tropeços dos adversários diretos, embora a equipe siga na segunda parte da tabela. Para o Bologna, Verdi não chegou a fazer falta: mesmo sem o fantasista, que fica parado por um mês devido a uma lesão, a equipe criou e chegou a acertar a trave com Destro.

Para a felicidade da Fiorentina, Chiesa decidiu o clássico contra o Bologna (LaPresse)

Sampdoria 1-1 Torino
Torreira | Acquah (Falque)

Tops: Torreira (Sampdoria) e Falque (Torino) | Flops: Zapata (Sampdoria) e Belotti (Torino)

Em confronto direto pela última vaga europeia, Sampdoria e Torino protagonizaram uma boa partida no Marassi, mas que acabou com um agosto amargo para ambos. Para os anfitriões, por ter sido um tropeço em casa contra um concorrente, e especialmente pelo desempenho ofensivo fraco. Já os visitantes foram mais agressivos e criativos, produziram maior volume de jogo e saíram de Gênova na bronca com o árbitro Rocchi, que expulsou Acquah e Mazzarri no segundo tempo. O Toro ainda perdeu Rincón e Obi, lesionados.

Desde o início o time de Turim foi melhor, mas foram os donos da casa que abriram o placar. Em cobrança de falta combinada com Barreto, Torreira aproveitou o espaço aberto na barreira para acertar forte chute e enganar Sirigu. Não demorou para o volume de jogo visitante levar ao empate, que chegou com Acquah após uma jogada de Falque. O ganês também acertou forte chute da entrada da área e contou com desvio decisivo de Ferrari. A etapa final seguiu quente e mesmo com um a menos o Torino produziu as melhores oportunidades, inclusive com duas chances perdidas por Belotti, enquanto Sirigu salvou grande finalização de Verre, nos acréscimos, e manteve o empate.

Atalanta 1-0 Chievo
Mancini (Cristante)

Tops: Ilicic (Atalanta) e Sorrentino (Chievo) | Flops: Petagna (Atalanta) e Birsa (Chievo)

Após dois meses sem vencer em casa, enfim a Atalanta fez a festa no Atleti Azzurri d’Italia. Apesar do placar mínimo, com gol que veio somente no segundo tempo e graças ao árbitro de vídeo, o time de Gasperini dominou o jogo de ponta a ponta e afundou ainda mais o Chievo. O time de Maran entrou mais uma vez muito retrancado, não conseguiu atacar e já não vence desde novembro, acumulando sete derrotas no campeonato desde então. Já os nerazzurri de Bérgamo voltaram a encostar na Sampdoria, e agora estão dois pontos atrás.

Sem Papu Gómez, mais uma vez o protagonismo da Atalanta acabou com Ilicic, que mesmo substituído no final da partida, foi o segundo jogador com mais toques na bola, atrás somente de Freuler, outro destaque e peça importante no domínio dos anfitriões. Por outro lado, Petagna falhou em participar do jogo e Cristante, com direito a oito chutes, perdeu algumas chances preciosas para abrir o placar. Por sua vez, o goleiro Sorrentino executava boas defesas e mantinha o Chievo vivo. O gol veio somente aos 74 minutos, depois de o árbitro Calvarese ter sido enganado pelo assistente. O vídeo corrigiu a decisão inicial da arbitragem e o gol de Mancini, após escanteio de Ilicic, foi assinalado corretamente: o toque do zagueiro foi com o peito, e não com o braço.

Cagliari 2-0 Spal
Cigarini (Diego Farias) e Sau (Leandro Castán)

Tops: Cragno e Leandro Castán (Cagliari) | Flops: Viviani e Mattiello (Spal)

Uma vitória em agosto, outra em outubro e a última em dezembro. Será que, seguindo a progressão, a quarta vitória da Spal vem em fevereiro? Bom, a equipe de Ferrara começou o mês perdendo outra e aumentando a diferença para o Crotone, primeiro acima da zona de rebaixamento, para uma vitória que não vem há seis rodadas. Quem não tem nada a ver com isso é o Cagliari, que voltou a vencer depois de um mês e abriu sete pontos para a própria Spal.

O time da casa contou com o retorno do brasileiro João Pedro, seu capitão, e mais uma vez contou com boas partidas do goleiro Cragno e e Diego Farias para triunfar. O atacante brasileiro começou servindo Cigarini, que abriu o placar em belo chute de fora da área. Com muita movimentação, ele até serviu o compatriota João Pedro, mas o gol foi bem anulado por impedimento. O segundo tento, este para valer, já no final da partida, veio após passe de calcanhar de Leandro Castán para Sau, que marcou apenas seu segundo gol na temporada – o primeiro foi ainda em setembro, contra o Crotone. Após o 2 a 0, Cragno ainda fez duas defesas importantes para evitar a reação spallina.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Cragno (Cagliari); Allan (Napoli), Fazio (Roma), Leandro Castán (Cagliari), Alex Sandro (Juventus); Khedira (Juventus), Pjanic (Juventus); Chiesa (Fiorentina), Ilicic (Atalanta), Bernardeschi (Juventus); Higuaín (Juventus). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Deixe um comentário