Serie A

Ah, os árbitros…

Fiorentina 2-1 Torino – Vieri (p); Grella; Mutu (p)
Uns culpariam a fase ruim; outros, o azar ocasional. Outros simplesmente prefeririam dizer que foi pura incompetência do Torino, que cada vez mais se aproxima da zona da degola. Fato é que, tendo sido este um dia extremamente singular ou não, os granata não contavam, e talvez nem deveriam contar, com a oportunista sorte viola. Mas seria exagero dizer que foi somente isso que decidiu a partida a favor da equipe de Cesare Prandelli.

No primeiro tempo, via-se uma partida monótona e com uma Fiorentina mais determinada a abrir o placar – chegando algumas vezes perto de sair do zero. Em uma das ocasiões, Santana forçou Sereni a fazer uma bela defesa. Pouco depois, Vieri obrigou o experiente goleiro a espalmar uma paulada de fora da área para escanteio. Além disso, os donos da casa chegaram em uma outra patada de Vieri, dessa vez em cobrança de falta, que passou perto da trave. Tudo parecia encaminhado para o placar fechado no intervalo – até que, aos 45 minutos e partindo pela esquerda -, Mutu entrou na área e foi ao chão após carrinho de Di Loreto. Pênalti duvidosíssimo e altamente contestado, porém convertido por Bobo Vieri, que conseguiu seu 200º gol na Itália.

Vieri; porque não é todo dia que se chega aos 200

Voltando do intervalo, o Torino conseguiu chegar ao empate com 14 minutos: Corini cobrou para o meio da área a falta que parecia distante, Bjelanovic escorou de cabeça para a direita, e, de surpresa, Grella foi quem chegou para finalizar às redes, transformando mais uma derrota esperada em um bom resultado para os visitantes. Após o empate, a maior chance da Fiorentina foi uma cabeçada em cobrança de escanteio vinda da esquerda, que obrigou Sereni a fazer uma excelente defesa. Aos 32 minutos, quando era a Fiorentina quem pressionava porém sem êxito, Lanna tentou uma recuada ridícula de cabeça para trás, Mutu se antecipou e recuperou a bola, indo em direção ao gol. Após ter entrado na área, bastou o mínimo e delicado, quase inexistente toque, para o romeno desabar e outro pênalti duvidoso ser marcado. Nesse caso, não seria nada exceto justo penalizar o atacante com o cartão amarelo por simulação. Em todo o caso, o próprio camisa dez cobrou, e, com um belo cucchiaio, fechou a vitória dos viola, que agora ocupam a quarta colocação, dois pontos à frente da Udinese.

Genoa 2-1 Atalanta – Doni (p); Borriello, Figueroa
Um dia totalmente infeliz para o torcedor bergamasco: porque ver o time jogar melhor, abrir o placar, ter um gol duvidoso anulado que sacramentaria a vitória, e, logo em seguida, tomar a virada – tudo isso em campo adversário -, não é muito agradável. Ainda no primeiro tempo a Atalanta mandou duas bolas na trave: Uma em um chute a longa distância de Floccari, e outra vinda de uma potentíssima cobrança de falta de Cristiano Doni. Até os trinta minutos iniciais o jogo era dominado pelos nerazzurri. Rivalta e Sculli ainda acabaram se envolvendo em forte dividida, levando o primeiro ao hospital.

Na volta do intervalo, um jogo bem mais equilibrado já era disputado: Sculli quase abriu o placar de cabeça, mas Coppola praticamente realizou um milagre. O que parecia um gol amadurecido do Genoa desabou quando, aos 70 minutos de jogo, Konko cometeu uma infração extremamente infantil dentro da área: Cristiano Doni não perdoou e fez um a zero para a equipe visitante. Gasperini, necessitado por gols, trocou Sculli por Figueroa logo em seguida. Aos 76 minutos de jogo, aconteceriam dois fatos em um curtíssimo período de tempo que mudariam todo o rumo da partida: Gol anulado de Floccari, aparentemente bem marcado pelo auxiliar. O problema é que nem deu tempo dos atalantinos reclamarem que, trinta segundos depois do acontecido, Borriello surgiu na cara do gol para empatar a peleja e encher de esperanças os rossoblù. Ainda foi possível, aos 88 minutos de jogo, a virada – vinda com o bomber argentino Figueroa, que marcou de cabeça após cobrança de escanteio, e, na celebração, homenageou o irmão morto há anos atrás em um acidente automobilístico, explodindo assim o Luigi Ferraris. Para completar a tarde infeliz da Atalanta, nada mais nada menos que a terceira bola da equipe bateu na trave após cabeçada de Muslimovic.

Comovente homenagem de Figueroa, o qual deu três pontos à sua equipe

Deixe um comentário