Serie A

16ª rodada: Palmas para o bom futebol

Confronto de classe: jogadores com técnica, como Totti e Aquilani, duelaram em um bonito confronto entre Roma e Fiorentina. Melhor para os romanos (Getty Images)

Em uma rodada que se estendeu do sábado ao domingo, alguns bons jogos acabaram diluídos na programação do fim de semana italiano. Os melhores, a rigor, aconteceram no sábado e no domingo à tarde, de acordo com o horário de Brasília. Se Inter e Napoli foi interessante porque foi aguerrido e teve em campo duas concorrentes da Juventus, Roma e Fiorentina, no dia anterior, foi muito interessante porque colocou frente a frente as duas equipes com futebol mais ofensivo em todo o país. Quem se deu melhor foi o time de Zdenek Zeman, que contou com um Totti inspirado e chegou a quatro vitórias consecutivas. Acompanhe a análise da rodada.

Roma 4-2 Fiorentina

“Mas Totti já tem 36 anos. Está velho”, poderiam ter dito os torcedores da
Fiorentina. Mas só antes do jogo, pois o capitão da Roma destruiu a Viola, no
Olímpico, em vitória de 4 a 2 dos giallorossi. Depois de sofrer nas mãos de Luis
Enrique, na temporada passada, o camisa 10 romano consagrou o ótimo primeiro
semestre com dois gols e uma assistência. Sem Jovetic, retornando de lesão,
Vincenzo Montella começou a partida com Toni, isolado entre os zagueiros, e
Cuadrado se aproximando do centroavante. A Fiorentina mal tinha saído para o
jogo quando Tachtsidis encobriu Viviano, após cobrança de falta de Totti, e
Leandro Castán empurrou a bola para a rede. Foi a primeira vez sob comando de Montella
que a Fiorentina foi vazada antes dos 15 minutos iniciais. Porém, na sequência,
em falta cobrada por Borja Valero, a zaga da Roma fez uma pífia linha de
impedimento e deixou Rodríguez livre para assistir Roncaglia no gol de
empate.

Ainda no primeiro tempo, Destro recebeu bom passe de Totti, dentro da área,
e voltou para o capitão, que driblou Aquilani e mandou um sem-pulo para vencer o
goleiro viola. Viviano, aliás, deu uma ajudada ao adversário: antes do
intervalo, aceitou uma finalização forte do camisa 10 da Roma da intermediária.
Golaço giallorossi; falha absurda do arqueiro da Fiorentina. El Hamdaoui voltou
como titular, após o descanso, e poucos segundos depois já havia deixado sua
marca no Olímpico. Osvaldo, no fim da partida, deu números finais ao jogo. A
incerteza da Roma parece ter acabado ao conquistar a quarta vitória consecutiva,
que lhe rendeu a quarta colocação ao fim da rodada. Na jornada 16, o time da
capital enfrenta o Chievo, em Verona. Por sua vez, a Fiorentina, agora 5ª
colocada, recebe o Siena, em Florença. (Murillo Moret)

Inter 2-1 Napoli

Milan,
Juventus e agora Napoli. A Internazionale de Andrea Stramaccioni ainda
não conseguiu deslanchar, porém vem mostrando poder de decisão em
confrontos importantes. Depois de uma sequência de 10 vitórias
consecutivas ser interrompida por quatro seguidos tropeços, a Beneamata
voltou a encontrar o caminho das vitórias, ou pelo menos deu indícios.
Primeiro a vitória por 1 a 0 sobre o Palermo, e agora o dramático e
aliviador 2 a 1 sobre o Napoli (os nerazzurri não venciam os partenopei
há cinco jogos). Com
a vitória, a Inter voltou para a segunda colocação, à quatro pontos da
líder Juventus, e agora enfrentará a Lazio em Roma. O
Napoli caiu para terceiro, à cinco da Vecchia Signora, receberá o
Bologna no San Paolo.

No
Giuseppe Meazza, novamente um atuação aquém do esperado, sem brilho,
mas com muita eficiência. Foram poucas finalizações: duas no alvo, defendidas por De Sanctis, e outras duas que vazaram o goleiro. Na primeira, jogada ensaiada em escanteio
cobrado com perfeição por Cassano, deixando no jeito para Guarín, que
“arrancou” desde o círculo central até a grande área, finalizar no canto
do arqueiro azzurro. Depois, novo vacilo do time de Mazzarri e Milito,
que recebeu de Guarín (em grande noite), chutou para marcar seu oitavo
gol na Serie A, o 29º em 2012. Mazzarri colocou o Napoli para cima, no
4-3-3, e a pressão só funcionou de fato uma vez, quando após
bate-rebate, Pandev (em posição irregular) e Hamsík tentaram e na sobra
Cavani aproveitou, descontando para os partenopei. Pouco para quem
chutou 21 vezes, sendo apenas seis “no alvo”, cinco defendidas por
Handanovic. (Arthur Barcelos)

Palermo 0-1 Juventus
Em jogo que marcou o retorno do técnico
Antonio Conte ao banco de reservas, a Juve jogou melhor que o Palermo,
na Sicília, e aumentou a vantagem na liderança. Agora, a Velha Senhora
tem quatro pontos à frente do segundo colocado, que é a Inter de Milão. O
Palermo, por sua vez, chega à sua segunda derrota consecutiva e é o
primeiro time fora da zona de rebaixamento, com 14 pontos.

Na primeira etapa, os donos da casa até conseguiram fazer um jogo
equilibrado, se defendendo bem e exigindo participação de Buffon em pelo
menos duas ocasiões. Mas foi só. No tempo final, a equipe rosanera
levou um gol logo no início, quando Lichtsteiner acertou belo chute após
passe de Vucinic, e não conseguiu se recuperar. Vucinic, aliás, foi o
destaque da partida, com boa movimentação e duas bolas na trave. A zaga
juventina também se comportou bem e ajudou a equipe de Turim a
conquistar mais uma vitória sem muito esforço. No final, o zagueiro
palermitano Morganella ainda foi expulso.  (Rodrigo Antonelli)

Torino 2-4 Milan
Jogando fora de casa contra o tradicional Torino, o Milan saiu em
desvantagem, mas acabou vencendo por 4 a 2. O primeiro gol surgiu
depois de uma bobagem de Nocerino, que tentou recuar a bola para
o goleiro Amelia desde o meio-campo e acabou errando. Santana aproveitou e abriu o placar, aos 28 minutos. Aos 40, porém,
Robinho empatou, depois de boa jogada, e levou o jogo para o intervalo.

Depois do intervalo, o Milan cresceu e contou com uma atuação
deplorável do normalmente seguro goleiro Gillet. Ele
falhou nos três gols da equipe rubro-negra. Primeiro, aos 8, espalmou
errado um cruzamento de El Shaarawy, possibilitando que Nocerino
virasse o jogo. Depois, aos 17, se colocou mal em chute de Pazzini. E,
para completar o mau dia, soltou um cruzamento fraco nos pés de El
Shaarawy, que marcou aos 31. De cabeça, Bianchi ainda diminuiu,
aos 35, mas foi só. O resultado leva o Milan aos 24 pontos, e mantém a equipe na 7ª
posição, próxima da zona de classificação para as competições europeias.
O Torino continua com 15 pontos, na 15ª colocação.

Bologna 0-0 Lazio
O jogo que fechou a rodada foi a única partida sem gols de todo o fim de semana. Pudera: as defesas de Bologna e Lazio se esforçaram muito para não levar gols e tiveram muita competência. As melhores chances do jogo foram para a Lazio, mas Candreva e Biava esbarraram em duas boas defesas de Agliardi. O Bologna, por sua vez, teve apenas um cruzamento de Taïder, que passou pela área sem ter quem o completasse.

Com o resultado, a Lazio ganhou uma posição, se estabelecendo na quarta colocação, um ponto acima de Fiorentina e Roma. O Bologna tem 15 pontos e está apenas um ponto acima da zona da degola. No próximo fim de semana, as equipes terão vida dura: o Bologna visita o estádio San Paolo, onde enfrentará um Napoli em busca de recuperação, enquanto a Lazio receberá uma Inter que tem crescido.

Sampdoria 0-2 Udinese
Faltou pouco para chamar de perfeita a rodada para a Udinese. Com gol do brasileiro Danilo, o clube friulano conseguiu a segunda vitória seguida, derrotando a Sampdoria em Gênova por 2 a 0, e subiu três posições na tábua de classificação – não fosse a vitória do Milan, seriam quatro posições de salto. Com 22 pontos, a equipe é a oitava colocada, com sete pontos a menos que a Roma, quinta colocada. A Samp, que não perdia há três rodadas, cai uma posição, agora é 13ª colocada, e volta a se preocupar com a salvezza, pois tem apenas três pontos a mais que o Pescara, primeiro time na zona de rebaixamento. Se o dia não foi perfeito para a Udinese, certamente foi perfeito para o único torcedor do clube que se fez presente no Marassi na noite de segunda-feira. 

Ferrara precisou criar alternativas para compor o meio de campo blucerchiato, que não contava com os titulares Krsticic e Munari, substituídos por Soriano e Tissone. Pela Udinese, Guidolin seguiu com os jovens Angella e Heurtaux compondo o trio de zaga com Danilo. No meio, o técnico promoveu o retorno de Basta, depois de longo período lesionado. Com isso, as zabras precisaram de menos de meia hora para matar a partida. Aos 17 do primeiro tempo Danilo subiu sozinho na área doriana e emendou cobrança de escanteio de Di Natale para o fundo do gol, abrindo o placar. Foi o segundo gol do brasileiro na Serie A, sendo que também havia marcado na partida anterior, contra o Cagliari. Aos 28, após falha grotesca do lateral-direito Berardi, Di Natale ganhou um presente na entrada da área adversária e, livre, driblou Romero a chutou para o gol vazio. A Samp ainda desperdiçou um pênalti aos 19 do segundo tempo, perdendo a chance de se recuperar na partida. (Thiéres Rabelo)

Pescara 2-0 Genoa

Oito derrotas em nove jogos, esse é o retrospecto do Genoa
nas últimas rodadas da Serie A. Os grifoni, desde que foram assumidos por
Luigi Delneri, conseguiram vencer apenas a Atalanta (a única vitória na
competição) e acumularam derrotas para Siena, Sampdoria, além da última para o
Pescara, todos concorrentes diretos contra o rebaixamento. Se analisarmos
apenas os resultados em campo, o Genoa hoje seguraria a lanterna da competição,
mostrando que a campanha da equipe é pior do que a que rebaixou a sua rival
Sampdoria a duas temporadas.
Quem gostou da situação ruim do Genoa foi o Pescara, que
mesmo sendo pressionado pelo time rossoblù, conseguiu segurar a partida,
contando com a sorte e a falta de precisão dos avantes genoveses e em duas boas
jogadas de Weiss (que se consolida como uma peça fundamental na equipe), o
oportunista Abbruscato e Vukusic marcaram os tentos que garantiram a terceira
vitória da equipe abruzzese, que não a tira da zona de rebaixamento. Para o Genoa e seu presidente Enrico Preziosi que adora a janela de transferências (números recentes mostraram mais de 300 contratações nos últimos
anos, entre compras, vendas e co-propriedades), já torcem para que janeiro
chegue logo e que junto com eles, contratações capazes de fazer o time da Ligúria fugir do perigo da segunda divisão. (Caio Dellagiustina)

Siena 1-3 Catania
Durante 40 minutos, Serse Cosmi e seu Siena puderam comemorar a saída da zona de rebaixamento, já que venciam a partida em casa contra o Catania e o Palermo perdia para a Juventus na Sicília. Mas dois argentinos comandaram a virada dos rossoazzurri no segundo tempo, concretizando a primeira vitória fora de casa dos elefantes no campeonato, com um convincente 3 a 1 e amplo domínio da partida no segundo tempo. O Siena, que momentaneamente deixou a zona da degola, virou lanterna após a partida, com a vitória do Pescara. A vitória recoloca o Catania próximo da briga por vaga na Liga Europa. O clube tem 22 pontos, na nona posição, sete a menos que a Roma, quinta colocada.

A vitória dos etnei foi absolutamente heroica. Ao todo, eram oito desfalques para o treinador Rolando Maran, incluindo três titulares – Bellusci e Barrientos suspensos; Spolli, Biagianti, Izco, Potenza, Ricchiuti e Sciacca lesionados. Aproveitando-se de uma falha da zaga do Catania, Rosina recebeu passe de Valiani na entrada da área e bateu no canto direito baixo, sem chance para Andújar, aos 10 do primeiro tempo. Mas foi tudo o que fez na partida o Siena. Após muita pressão no restante da primeira etapa, o gol de empate rossoazzurro veio aos 5 do segundo tempo, com Bergessio dando ótima assistência para o compatriota Castro, livre dentro da área. Bergessio, dono do jogo, faria uma dopietta para fechar o embate: aos 21, recebendo livre um passe de Lodi dentro da área e batendo no canto direito de Pegolo e aos 37, pegando a sobra de um escanteio. (TR)

Atalanta 2-1 Parma
No primeiro jogo da rodada, a Atalanta
venceu o Parma e conseguiu acabar com a sequência negativa de três
derrotas seguidas no campeonato. Do outro lado, o Parma mostrou muito
cansaço físico e acumulou mais um mau resultado (nas últimas seis
rodadas, venceu apenas um jogo). A situação só não é crítica para o
Parma porque a equipe de Donadoni foi muito bem no início da competição e
já tem 20 pontos acumulados. A Atalanta tem 21 conquistados, na 9ª
colocação.

A partida começou em ritmo forte e Denis abriu o placar para os
donos da casa logo aos quatro minutos do primeiro tempo, depois de bom
cruzamento de Schelotto. Confuso em campo, o Parma não conseguiu
produzir nada demais e deu espaço para a Atalanta ampliar o placar, aos
38 minutos de jogo. Peluso concluiu para o fundo das redes depois de
jogada que passou por Maxi Morález e Denis. Amauri diminuiu para o Parma
no último minuto do primeiro tempo, mas foi só. No segundo tempo, a
Atalanta continuou melhor e por pouco não ampliou.  (RA)


Cagliari 0-2 Chievo
Após a eliminação da Coppa Italia contra a Reggina, o Chievo conseguiu a segunda vitória consecutiva na Serie A, graças, novamente, a Paloschi. O jovem ex-atacante do Milan marcou um dos gols da vitória por 2 a 0, na Is Arenas, contra o Cagliari, e chegou a cinco tentos em cinco partidas. O primeiro tempo, no entanto, foi de chances apenas de um lado. O Cagliari acertou o gol, mas o Chievo contou com um Sorrentino em grande tarde para fechar o gol. O arqueiro do Ceo fez duas ótimas defesas em chutes de Pinilla e Sau, na sequência. Ele ainda praticou a defesa em finalização de Sau um pouco antes do intervalo.

O Chievo abriu os trabalhos em sua primeira chance ofensiva. Hetemaj saiu do marcador e cruzou para Paloschi, que deixou Pisano para trás e cabeceou para vencer Agazzi. Sorrentino salvou o empate ao defender uma cabeçada de Pisano e o resultado foi definido em linda cobrança de falta de Théréau. Indefesável para Agazzi, pois a bola foi no ângulo direito. Na próxima rodada, o Chievo encara a Roma e pode ter o desfalque de Sardo, que saiu da partida contra o Cagliari com uma lesão muscular. A equipe da Sardenha viaja ao Ennio Tardini para enfrentar o perigoso Parma de Roberto Donadoni. (MM)

Relembre a 15ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Sorrentino (Chievo); De Sciglio
(Milan), Ranocchia (Inter), Barzagli (Juventus), Peluso (Atalanta);
Bradley (Roma), Bjarnason (Pescara), Guarín (Inter); Totti (Roma),
Bergessio (Catania), Di Natale (Udinese). Técnico: Zdenek Zeman (Roma).

Deixe um comentário