Serie A

Empate no clássico de Milão marca semana de jogos atrasados da 27ª rodada

Finalmente todas as equipes da Serie A chegam a 30 partidas disputadas. Entre terça e quarta foram recuperados os jogos da 27ª rodada que haviam sido adiados pela trágica morte de Davide Astori, que aconteceu no início de março. O principal dos sete duelos da semana era, claro, o clássico de Milão, que a Inter esteve perto de vencer, mas não conseguiu. O resultado também não foi bom para o Milan, que não se aproximou da zona de classificação à Champions League e viu a briga por vaga na Liga Europa se acirrar.

Milan 0-0 Inter

Tops: Kessié (Milan) e Rafinha (Inter) | Flops: Bonaventura (Milan) e Icardi (Inter)

Icardi não costuma perdoar. Desta vez, no entanto, o capitão da Inter perdeu dois gols sem goleiro e acabou sendo o vilão de um jogo concluído com gosto de derrota para a equipe nerazzurra. Afinal, a Beneamata foi amplamente superior ao Milan, criou inúmeras chances contra o rival e, com o empate, não conseguiu assumir a terceira posição da Serie A. Também não conseguiu abrir vantagem maior sobre a Lazio, quinta colocada – o que lhe daria tranquilidade na briga por vaga na Liga dos Campeões. O Milan, por sua vez, vê o sonho de retornar à principal competição de clubes europeia cada vez mais distante, já que está oito pontos atrás da própria Inter.

A equipe azul e preta foi responsável por impor o jogo durante quase todo o dérbi, diante de um rival que renunciava à bola diante de quase 80 mil torcedores. Fora um gol bem anulado de Cutrone e uma defesa milagrosa de Handanovic, o Milan pouco chegou ao campo adversário: esbarrou nas partidas negativas do setor de criação e no fato de Kessié ser o único jogador realmente propositivo em seu meio-campo. Rafinha foi o dono do setor e mesmo o impreciso Brozovic teve seus momentos de soberania no centro do gramado. Na primeira etapa, uma ótima jogada do meia brasileiro e de Candreva resultou num gol de Icardi, anulado por um impedimento milimétrico.

Após o intervalo, Donnarumma alternou momentos de insegurança com algumas boas defesas e era candidato tanto a vilão quanto herói. Icardi, porém, se mostrou um rival implacável pela primeira das alcunhas. Após Perisic acertar o travessão, o camisa 9 interista perdeu uma chance inacreditável, com o gol aberto, e não aproveitou o cruzamento de Candreva – acionado novamente por Rafinha. O argentino poderia ter se redimido no último lance do jogo, numa jogada análoga à citada anteriormente, mas colocou à direita do gol novamente. Desde abril de 2015 o clássico de Milão não terminava empatado sem gols.

Udinese 0-2 Fiorentina
Veretout (pênalti), Simeone

Tops: Chiesa e Veretout (Fiorentina) | Flops: Perica e Danilo (Udinese)

Antes de a Fiorentina enfrentar a Udinese, o coração de Astori parou. Se o capitão está vivo na consciência de toda a comunidade viola, foi nesta terça que o eterno camisa 13 foi relembrado com mais intensidade após o seu funeral. No 13º minuto de jogo, homenagens à sua memória foram registradas com muitos aplausos pelos presentes na Dacia Arena, que só puderam se curvar a uma Fiorentina cada vez mais resiliente após momentos de tantas dificuldades: o time toscano já soma sua quinta vitória consecutiva. A Udinese, por sua vez, perdeu pela sétima rodada seguida e alcançou a pior marca de sua história. Oddo já tentou mudar o esquema algumas vezes, mas seus esforços não deram jeito até o momento.

A escalada florentina rumo à Liga Europa tem a força da superação deixada por Astori e incorporada em jogadores como Saponara, Veretout, Chiesa e Simeone. O terceiro dos citados foi o grande nome do triunfo em Údine: incansável, se movimentou por todo o campo e confundiu a defesa bianconera. Aos 29, após desperdiçar duas oportunidades, Chiesa foi calçado por Pezzella dentro da área e deu a oportunidade para Veretout abrir o placar. Falcinelli perdeu um gol feito ainda no primeiro tempo, mas seu substituto, Simeone, foi implacável na etapa final. Quatro minutos depois de entrar, aproveitou mais uma jogada criada por Chiesa e decidiu a partida.

Atalanta 1-2 Sampdoria
Rafael Tolói | Caprari e Zapata

Tops: Berisha (Atalanta) e Caprari (Sampdoria) | Flops: Haas (Atalanta) e Álvarez (Sampdoria)

A Atalanta cochilou e deu emoção à briga pelo sétimo lugar da Serie A, que pode valer uma vaga na Liga Europa. A equipe de Bérgamo emendou uma sequência positiva, com quatro vitórias em sete jogos, e ultrapassou a própria Sampdoria, que acumulara três derrotas consecutivas. No confronto direto, o time nerazzurro cometeu erros diante da adversária e caiu em casa. Agora, atalantinos e dorianos estão empatados com a Fiorentina: o trio soma 47 pontos.

Os donos da casa começaram buscando o gol e ameaçaram principalmente em bolas cruzadas na área. Numa delas, Petagna acertou o travessão. A Sampdoria contava com Caprari como maior fonte de perigo e foi exatamente o lépido atacante que aproveitou um escorregão de Rafael Tolói para abrir o placar. O goleiro Berisha evitou o segundo dos dorianos ao fazer duas defesaças: a primeira numa cobrança de falta de Ramírez e a segunda, com a ajuda da trave, numa cabeçada de Caprari. A entrada do jovem atacante Barrow fez bem à Atalanta e, numa dividida do gambiano pelo alto, a bola sobrou para Tolói se redimir. O script acabou sendo inverso para Haas e decretou a vitória da Samp: o suíço salvou um gol em cima da linha, mas nos minutos finais deu um presentão para Zapata, recuando a bola de maneira errada e, efetivamente, deixando o colombiano com a faca e o queijo na mão para marcar o segundo.

Torino 4-1 Crotone
Belotti, Falque (Baselli), Belotti (Ljajic), Belotti (Falque) | Faraoni (Tumminello)

Tops: Belotti e Falque (Torino) | Flops: Ajeti e Barberis (Crotone)

O Galo voltou a cantar: após um ano, Belotti pode comemorar mais uma tripletta e o fato de ter se tornado o único jogador do futebol italiano a anotar hat-tricks nos três últimos anos. O goleador viveu má fase física e técnica durante quase toda a temporada, mas mostrou crescimento nas últimas semanas e foi fundamental para as duas vitórias consecutivas do Torino. Surfando na crista do bom momento do atacante, a equipe de Mazzarri deixou para trás as quatro derrotas consecutivas e ruma para um fim de campeonato sem muitas responsabilidades, já que deve apenas cumprir tabela nas oito rodadas finais.

Com sete titulares indisponíveis, entre suspensos e lesionados, o Crotone não foi páreo para o Torino e rapidamente aceitou a quinta derrota nas seis últimas partidas: no final do primeiro tempo, o time da casa já tinha uma vantagem de três gols. Aos 16, após uma cobrança de escanteio de Ljajic e rebote do goleiro Cordaz, Belotti marcou o primeiro. Quatro minutos depois, Falque aproveitou um buraco na defesa rossoblù para ampliar e, aos 36, Belotti mostrou oportunismo para anotar o terceiro. Se Simy ensaiou uma reação calabresa e Falque quase fez o quarto antes do intervalo, o golpe de misericórdia, com a assinatura de Belotti, aconteceu já na etapa final, após contra-ataque. Nos acréscimos, Faraoni descontou e deu números finais ao cotejo.

Benevento 3-0 Verona
Letizia, Diabaté (Viola), Diabaté (Brignola)

Tops: Diabaté e Letizia (Benevento) | Flops: Ferrari e Valoti (Verona)

O Benevento conseguiu sua maior vitória na Serie A contra a segunda equipe mais frágil do campeonato: nada mais apropriado, pois os bruxos devem morrer de mãos dadas com o Verona. Na partida entre os virtuais rebaixados, os donos da casa foram dominantes do início ao fim e não ofereceram qualquer possibilidade de reação a um Hellas apático e inócuo. Fabio Pecchia vê seu cargo subir no telhado e pode ser demitido nos próximos dias, numa última tentativa de reação da equipe veronesa.

O Verona entrou em campo com uma abordagem defensiva, deixando Cerci isolado no ataque e esperando o Benevento propor o jogo. Os stregoni o fizeram muito bem e criaram pelo menos sete chances claras além das três que foram traduzidas em gol. O primeiro saiu aos 25, após uma arrancada e uma bela finalização do versátil lateral Letizia. Na etapa final, Pecchia lançou mão do atacante Petkovic, mas foi o goleiro Silvestri que, com duas defesas, manteve o Hellas vivo. Até Diabaté aparecer e completar uma cobrança de escanteio com uma cabeçada fulminante e, já na reta final, completar com perfeição um cruzamento rasteiro de Brignola.

Genoa 2-1 Cagliari
Lapadula (Hiljemark), Iuri Medeiros | Barella (pênalti)

Tops: Lapadula (Genoa) e Barella (Cagliari) | Flops: Rossettini (Genoa) e Ceppitelli (Cagliari)

Uma vitória nos acréscimos pode ter sido suficiente para afastar o risco de rebaixamento para o Genoa. A equipe lígure alcançou os 34 na tabela e está 10 acima do Z-3. O Cagliari vai precisar esperar um pouco mais para se tranquilizar. Apesar de até ter jogado melhor que os mandantes, não teve sorte e continua com uma vantagem de cinco pontos sobre o Crotone, que abre a zona perigosa.

Pavoletti começou assustando a sua antiga equipe ao obrigar Perin a fazer uma ótima defesa. O Genoa respondeu com boas participações de Iuri Medeiros, Lapadula, Hiljemark e Rosi, mas só conseguiu abrir o placar no segundo tempo: no oitavo minuto, o atacante ítalo-peruano começou a jogada e a concluiu com um cabeceio para as redes. O Cagliari empatou aos 19, graças a uma cobrança de pênalti de Barella, e quase virou na reta final do jogo – Pavoletti, no entanto, acertou a trave. Já nos acréscimos, o português Medeiros coroou sua estreia como titular. Aproveitou uma sobra de bola e acertou um chute de canhota no cantinho.

Chievo 1-1 Sassuolo
Giaccherini | Cassata

Tops: Cacciatore (Chievo) e Acerbi (Sassuolo) | Flops: Bani (Chievo) e Adjapong (Sassuolo)

Frenesi em Verona. Ao contrário do insosso 0 a 0 do primeiro turno, Chievo e Sassuolo protagonizaram uma partida muito movimentada e com emoções até o apito final: no Bentegodi, o VAR foi acionado duas vezes, dois jogadores foram expulsos e um gol foi marcado no quinto minuto de acréscimo. O empate poderia ser muito ruim para o time da casa, mas as derrotas de Crotone e Verona lhe deram um alívio. Agora, Chievo e Sassuolo somam 29 pontos, cinco acima da zona da degola.

A partida teve uma chance desperdiçada por Babacar logo nos minutos iniciais. Aos 34, Adjapong foi com muita sede ao pote e, ao tentar aproveitar um recuo curto de Castro, fez falta dura em Sorrentino: após ver o lance no vídeo, Tagliavento expulsou o lateral do Sassuolo. Com um a menos, a equipe visitante foi melhor até meados da etapa final, quando Lirola não conseguiu cortar um cruzamento e Giaccherini aproveitou para marcar. Faltando cinco minutos para o fim do tempo regulamentar, o capitão Magnanelli foi expulso e deixou o Sassuolo com nove. A coragem dos neroverdi acabou premiada num lance de sorte: Cassata cobrou falta na área e viu a bola pingar duas vezes e encobrir Sorrentino.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada**
Alisson (Roma); Bereszynski (Sampdoria), Barzagli (Juventus), Miranda (Inter), Letizia (Benevento); Chiesa (Fiorentina), Veretout (Fiorentina), Nainggolan (Roma); Diabaté (Benevento), Dzeko (Roma), Belotti (Torino). Técnico: Eusebio Di Francesco (Roma).

**A seleção considera também os desempenhos dos três jogos realizados no sábado anterior à morte de Astori.

Deixe um comentário