Serie A

15ª rodada: Milan tem ‘vitória de campeão’ em fim de semana feliz para os favoritos

A primeira rodada de 2021 na Serie A não teve grandes surpresas: Milan, Inter, Roma, Napoli e Juventus ganharam os seus jogos e protagonizaram um domingo de pouquíssimas mudanças na tabela. Na primeira parte da classificação, por exemplo, apenas Sassuolo e Lazio perderam terreno. Por isso, teve ainda mais valor o complicado triunfo dos milanistas sobre o Benevento, com um a menos por cerca de uma hora. Confira a síntese da jornada.

>>> Classificação e artilharia da Serie A

Benevento 0-2 Milan

Gols e assistências: Kessié (pênalti) e Rafael Leão (Rebic)
Tops: Donnarumma e Kjaer (Milan)
Flops: Hetemaj e Montipò (Benevento)

Em toda trajetória de título existem jogos em que os percalços parecem maiores do que os recursos técnicos disponíveis para superá-los, mas que, ainda assim o time campeão encontra meios para levar os três pontos pra casa. O Milan poderá até não garantir o scudetto, mas esse foi um duelo com tais características. Frente a um Benevento muito bem treinado por Pippo Inzaghi – e que mais uma vez demonstrou boa capacidade para competir no mais alto nível –, o time de Pioli teve capacidade coletiva e resiliência para chegar aos gols, sustentar uma tentativa de pressão e conquistar o resultado positivo.

Logo aos 15 minutos, Rebic foi derrubado dentro da área e Kessié cobrou a penalidade com perfeição, batendo Montipò e fazendo 1 a 0 para o Milan. Contudo, a reação dos donos da casa foi muito forte: o Benevento criava meios para trabalhar a bola, atrair a marcação dos zagueiros do Milan e incomodar Donnarumma. Aos 33, a situação se complicou para o Milan: Tonali errou um domínio na zona central e entrou com força exagerada em dividida contra Ionita. O árbitro do jogo foi chamado ao VAR e decidiu por expulsar o camisa 8.

Mesmo com 10 e frente a um bom time, Pioli conseguiu recompor sua equipe, trocando Brahim por Krunic e contando com enorme dedicação defensiva de seus homens – principalmente Donnarumma, ligado para fazer boas defesas. Do outro lado, Montipò não estava tão atento: na volta do intervalo, saiu mal do gol para cortar um lançamento de Rebic para Rafael Leão e acabou ficando no meio do caminho, o que bastou para o português encobri-lo. O Benevento pressionou em busca do empate, mas parou na noite inspirada de Donnarumma e na falta de pontaria – chegou a ter um pênalti a favor, cobrado para fora por Caprari. Enquanto os stregoni continuam na décima posição, o Milan segue líder e agora se prepara para encarar a Juventus na próxima rodada. (Henrique Mathias)

Inter 6-2 Crotone

Gols e assistências: Martínez (Lukaku), Marrone (contra), Martínez (Brozovic), Lukaku (Bastoni), Martínez e Hakimi (Darmian); Zanellato (Junior Messias) e Golemic (pênalti)
Tops: Lukaku e Martínez (Inter)
Flops: Marrone e Lupertto (Crotone)

No San Siro, Inter e Crotone fizeram um duelo de bom nível tático e alternância de momentos de perigo, mas quem roubou a cena foi Lukaku, autor de um show particular. De cara, Conte deu sequência à mudança de esquema que havia iniciado na última partida de 2020 – a troca do 3-5-2 pelo 3-4-2-1 –, dessa vez com Lautaro caindo pelo lado esquerdo, Vidal compensando pela direita e Lukaku centralizado, para acumular jogo. O Crotone, por sua vez, seguiu na mesma ideia de sempre, marcando no seu 5-3-2. O time calabrês tinha variações para sair jogando, contando com a velocidade e os desmarques da dupla de ataque para levar perigo à meta rival.

O jogo começou com a Inter controlando a bola e trocando passes com boa desenvoltura, mas foi o Crotone que acabou marcando primeiro. Após cobrança curta de escanteio pelo lado direito, Junior Messias levantou a bola na medida para Zanellato, que se antecipou a Vidal e marcou. Contudo, a vantagem dos visitantes durou apenas sete minutos: Lukaku recebeu no pivô, sustentou e descolou lindo passe para Martínez receber e finalizar.

Com o empate, a Inter recuperou totalmente o controle da partida e tendo sempre em Lukaku sua arma mais importante, levava perigo constante à meta de Cordaz. Aos 31, Vidal recuperou a bola na zona central, Lukaku acelerou e achou belo passe para Barella. O meia invadiu a grande área e fez cruzamento buscando Lautaro, mas, antes que o atacante finalizasse, Marrone jogou contra a própria meta, consumando a virada da Beneamata. Se o jogo parecia sob controle nessa altura, um lance de descuido custou caro e Vidal cometeu pênalti sobre Reca. Golemic bateu bem e empatou a partida.

No intervalo, Conte trocou Vidal por Sensi, o que fez a Inter ganhar ainda mais dinâmica no ataque e poder conseguir a vitória de maneira tranquila. Aos 57, Lukaku deu lindo passe de calcanhar para Brozovic, que apenas ajeitou para Lautaro marcar. Seis minutos depois, Bastoni realizou lançamento longo para Lukaku, que dominou, girou, deixou Luperto na saudade e marcou. Conte fez as últimas trocas e a Inter marcou mais duas vezes. Após boa jogada de Perisic, Lautaro anotou a sua primeira tripletta pela equipe nerazzurra e Hakimi fechou a conta batendo de canhota da entrada da área, depois de passe do Darmian. Com o resultado, a Beneamata segue na vice-liderança, enquanto o Crotone voltou à lanterna. (HM)

Simbiose: Lukaku e Lautaro elevaram seu nível de atuação conjunta na goleada da Inter sobre o Crotone (IPA)

Atalanta 5-1 Sassuolo

Gols e assistências: Zapata, Pessina (Ilicic), Zapata (Freuler), Gosens e Muriel (Freuler); Chiriches
Tops: Freuler e Zapata (Atalanta)
Flops: Ferrari e Caputo (Sassuolo)

Em Bérgamo, Atalanta e Sassuolo fizeram um dos duelos mais aguardados da rodada e, mais uma vez, Gasperini levou a melhor sobre De Zerbi. Novamente sem Gómez, o treinador da Atalanta manteve o 3-4-1-2 como sistema, com Pessina na função de armador central. Já o Sassuolo entrou em campo no 4-3-3, mantendo o seu estilo de posse de bola e construção desde a defesa.

Os primeiros minutos foram positivos para os neroverdi, que conseguiam atrair a pressão rival, trocar passes e levar perigo à meta defendida por Gollini. Contudo, aos 11 minutos, Pessina roubou a bola, Freuler encontrou Zapata no comando do ataque e o colombiano não perdoou. A partir desse momento, o jogo mudou completamente: a Dea tirou o conforto da saída de bola do Sassuolo e tomou para si o controle da partida. Assim, aos 45 minutos, logo antes do apito para encerrar o primeiro tempo, Ilicic partiu pela direita e cruzou na medida para Pessina ampliar.

O jogo ficou bem encaminhado para a Atalanta e logo no começo da segunda etapa, Zapata aumentou a contagem – outra vez com participação de Pessina, que deixou Freuler na boa para dar a assistência para o centroavante. Alguns minutos depois, o placar mudou novamente, depois de ligação direta de Gollini para Zapata, arrancada de Gosens e finalização do próprio alemão. Completamente atordoado em campo, o Sassuolo não conseguia somar saídas, repetia erros em zona vital e acabou punido pela quinta vez. Gosens partiu pela esquerda e ativou Freuler, que encontrou Muriel no comando do ataque para marcar. Através da bola parada, os visitantes ainda diminuíram, com Chiriches, após bate rebate na área. Com a vitória, a Atalanta manteve a sétima posição, mas encostou no Sassuolo – sexto com um pontinho a mais. (HM)

Cagliari 1-4 Napoli

Gols e assistências: João Pedro; Zielinski (Petagna), Zielinski (Di Lorenzo), Lozano e Insigne (pênalti)
Tops: Zielinski e Di Lorenzo (Napoli)
Flops: Lykogiannis e Pereiro (Cagliari)

Na Sardenha, o Napoli conseguiu uma expressiva vitória diante do Cagliari após ter dificuldades iniciais, mas contar com bons ajustes de Gattuso e uma postura excelente dos atletas. O time da casa mostrou outra vez uma defesa frágil, um ataque muito dependente de João Pedro e contou com ótimas intervenções de Cragno para que a goleada não fosse maior.

O jogo começou com o time de Gattuso sofrendo para alcançar fluidez no ataque devido às ausências de Osimhen e Mertens. Contudo, mesmo nesses momentos, o jogo passava pelos pés de Ruiz e o Cagliari não encontrava respostas. Pela direita, funcionava a dobradinha entre Di Lorenzo e Lozano. Dessa maneira, Insigne teve uma grande oportunidade e aos 25, Zielinski recebeu de Petagna para marcar um golaço, com chute sem chances para Cragno.

Na volta para o segundo tempo, o jogo seguia na mesma tendência, até que em uma chegada mais forte pelo lado direito, com Zappa e Sottil, o Cagliari achou seu artilheiro dentro da área – e João Pedro não desperdiçou a chance. Só que antes mesmo de dar tempo para uma mudança na dinâmica da partida, na saída de bola Di Lorenzo partiu pela direita e encontrou Zielinski na entrada da área. O polonˆs dominou, tirou o defensor com classe e venceu Cragno outra vez.

Alguns minutos depois, Lykogiannis perdeu mais um duelo para Lozano pelo lado direito e acabou expulso. O Napoli aproveitou os minutos de superioridade numérica e definiu o duelo. Primeiro com o próprio atacante mexicano, que aproveitou bate-rebate na área e, por fim, com Insigne em cobrança de pênalti. Os azzurri continuam na quarta colocação, enquanto o Cagliari vê a zona de rebaixamento mais perto: está distante apenas três pontos. (HM)

A máquina de gols voltou? Em Bérgamo, a Atalanta trucidou o Sassuolo (IPA)

Juventus 4-1 Udinese

Gols e assistências: Ronaldo (Ramsey), Chiesa (Ronaldo), Ronaldo (Bentancur) e Dybala (Danilo); Zeegelaar
Tops: Ronaldo e Chiesa (Juventus)
Flops: Bonifazi e De Maio (Udinese)

Não se engane pelo placar elástico: a Juventus fez menos do que o esperado para bater a Udinese e assumir a quinta posição da Serie A. Com a ausência do lesionado Morata, Pirlo colocou a dupla formada por Ronaldo e Dybala em campo, mas viu apenas o português corresponder. CR7 garantiu o triunfo quase sozinho, já que apenas Chiesa também teve uma atuação acima do regular no jogo que encerrou a rodada.

A Udinese chegou a balançar as redes primeiro, após boa triangulação entre De Paul e Lasagna, mas um toque de braço do argentino na origem do lance invalidou o tento. Aí Ramsey roubou a bola do camisa 10 friulano e Ronaldo foi impiedoso para chutar forte e abrir o placar, aos 31. A Juventus jogava apenas para o gasto, mas o português voltou a ser decisivo no retorno para o segundo tempo: aos 49 minutos, lançou Chiesa nas costas de Bonifazi e o ponta ampliou, batendo na saída de Musso.

Ao longo do segundo tempo, a Juventus chegou a ter um gol de Ramsey anulado por toque de mão e, quando a Udinese ameaçou a vantagem com cabeçada de Pereyra no travessão, Ronaldo garantiu os três pontos com sua doppietta. Nos últimos minutos, Zeegelaar ainda acertou o poste e marcou o seu gol, ao passo que Dybala anotou o quarto no derradeiro lance do duelo bianconero. (Nelson Oliveira)

Roma 1-0 Sampdoria

Gols e assistências: Dzeko (Karsdorp)
Tops: Dzeko e Ibañez (Roma)
Flops: Quagliarella e Verre (Sampdoria)

A chuva insistente (e, durante o segundo tempo, bastante forte) que caiu no Olímpico esfriou o ritmo do jogo entre Roma e Sampdoria, que acabou sendo um dos menos interessantes da rodada. Com a vitória magra, a equipe capitolina manteve o terceiro posto da Serie A, deixando a formação de Ranieri na 11ª colocação do campeonato.

O ponto mais positivo na Roma deste domingo foi a exibição defensiva: Quagliarella e Verre pouco apareceram, as tentativas dorianas se resumiram a cruzamentos e chutes de fora da área, o que fez com que o goleiro Pau López fosse quase inoperante. O campo pesado do Olímpico atrapalhou o estilo de jogo do time de Paulo Fonseca, que também apostou muito na bola aérea, buscando Smalling, que acertou o travessão, ou Dzeko. O bósnio teve duas ótimas chances de cabeça, mas marcou o gol decisivo após cruzamento rasteiro. (NO)

No triunfo da Juventus sobre a Udinese, Ronaldo fez a sua parte; Dybala, nem tanto (LaPresse)

Genoa 1-1 Lazio

Gols e assistências: Destro (Shomurodov); Immobile (pênalti)
Tops: Shomurodov (Genoa) e Milinkovic-Savic (Lazio)
Flops: Rovella (Genoa) e Lazzari (Lazio)

Quase metade da temporada se foi e a Lazio ainda busca regularidade – sobretudo no aspecto defensivo, já que a equipe tem os seus piores números desde que Simone Inzaghi assumiu, em 2016. Mais uma vez, os celestes tropeçaram num rival menos qualificado e, por isso, terminaram a rodada na nona posição. O Genoa segue na zona de rebaixamento, mas apenas por critérios de desempate, e está apenas um ponto atrás do Parma, 16º colocado.

Apesar de não ter sido muito criativa no Marassi, a Lazio poderia ter construído a vitória no primeiro tempo. Immobile abriu o marcador depois de um pênalti bizarro cometido por Zapata e, na etapa inicial, só o time visitante teve boas chances. No segundo tempo, Luis Alberto também poderia ter anotado o seu, mas seu chute passou rente à trave. O castigo, então, veio montado num cavalo da estepe. O uzbeque Shomurodov substituiu Pjaca no intervalo e entrou colocando fogo no jogo: puxou um contra-ataque fulminante, aos 58 minutos, deixou Lucas Leiva na saudade e serviu Destro, que fuzilou para as redes. No final, o atacante asiático teve uma outra oportunidade na grande área, mas teve azar, já que sua finalização não entrou por alguns centímetros. (NO)

Fiorentina 0-0 Bologna

Tops: Dragowski (Fiorentina) e Domínguez (Bologna)
Flops: Vlahovic (Fiorentina) e Palacio (Bologna)

Fiorentina e Bologna entraram em campo para um duelo entre equipes com muito talento disponível, mas pouca regularidade e temporadas decepcionantes. E o jogo ajudou a confirmar muitas dessas sensações: vimos duas equipes inseguras quanto aos seus modelos, cometendo muitos erros de passe e pecando em conectar as peças na zona final do campo. Com isso, o Dérbi dos Apeninos teve baixo nível técnico e poucos lances de perigo.

Dentro do 3-5-2 de Prandelli, Ribéry continua sendo a peça de maior capacidade técnica e de desequilíbrio, mas a idade impede que a intensidade seja sempre a mesma e dure por todo o calendário. Ainda assim, foi com ele que a equipe criou a melhor chance de gol na partida. Já o Bologna oscila muito de um jogo para o outro e, se desta vez conseguiu evitar que seu goleiro fosse vazado, encontrou dificuldades para circular a bola em campo ofensivo, dependendo muito de jogadas ensaiadas e de cruzamentos laterais. As equipes podem muito mais do que apresentam até aqui. (HM)

Festa após o gol de Izzo: ao bater o Parma, o Torino finalmente saiu da zonde rebaixamento (LaPresse)

Parma 0-3 Torino

Gols e assistências: Singo (Belotti), Izzo (Gojak) e Gojak (Belotti)
Tops: Belotti e Izzo (Torino)
Flops: Kucka e Cornelius (Parma)

No Ennio Tardini, o Torino finalmente conseguiu completar uma atuação mais condizente com a expectativa criada em torno do time quando Giampaolo foi anunciado. Para conquistar uma importante vitória, os grenás se aproveitaram do momento ruim do Parma, que continua perdido entre as ideias de seu treinador, o encaixe do elenco e a falta de confiança no momento atual.

Logo aos 8 minutos de partida, Belotti recebeu pelo meio, girou e achou lindo passe para Singo, que dominou e bateu sem chances para Sepe. O Parma tentou responder e ficou no jogo, mas encontrava dificuldades para encaixar os passes em campo ofensivo e acabou refém dos cruzamentos. No melhor deles, ainda no primeiro tempo, Kucka colocou a bola na cabeça de Kurtic, que mandou para fora e perdeu grande chance.

No segundo tempo, o jogo foi mais aberto, com o Parma assumindo o controle das ações. O Torino tinha os contra-ataques à disposição e em um deles, Belotti arrancou de maneira espetacular e achou Verdi na cara do gol, mas o camisa 24 perdeu. O jogo foi se arrastando e quando o fantasma do gol sofrido nos minutos finais já pairava sobre a cabeça do torcedor do Toro, Gojak cobrou escanteio na cabeça de Izzo, que marcou. Já no minuto final, Belotti apareceu como garçom mais uma vez e Gojak completou uma atuação muito positiva, marcando o 3 a 0. Com o triunfo, o Torino saiu da zona de rebaixamento e encostou no Parma, que está apenas um ponto acima da linha de corte. (HM)

Spezia 0-1 Verona

Gols e assistências: Zaccagni (Faraoni)
Tops: Zaccagni e Magnani (Verona)
Flops: Chabot e Agoumé (Spezia)

Spezia e Verona colocaram muita vontade em campo, mas só o talento de Zaccagni tirou o zero do placar. Os donos da casa chegaram à oitava partida seguida sem vitórias, com cinco derrotas no período, e entraram na zona de rebaixamento. O Hellas, por sua vez, ultrapassou a Lazio e assumiu a oitava colocação.

A história poderia ter sido diferente para o Spezia se Nzola tivesse aproveitado o erro de recuo de bola de Faraoni e aberto o placar aos 10 minutos. Depois disso, o Verona mandou no jogo: teve dois gols anulados, viu Zaccagni, Lazovic e Colley criarem boas oportunidades e os spezzini ameaçarem apenas com um chute de fora da área de Pobega. A expulsão de Chabot fez esse cenário se intensificar, mas o placar só foi aberto aos 75, quando Zaccagni recebeu cruzamento de Faraoni, matou no peito e emendou de bicicleta. Um golaço para coroar a excelente fase do meia, que já foi chamado para a seleção italiana e está na mira de grandes clubes. (NO)

Seleção da rodada

Donnarumma (Milan); Singo (Torino), Izzo (Torino), Kjaer (Milan), Romero (Atalanta); Zielinski (Napoli), Freuler (Atalanta); Martínez (Inter), Lukaku (Inter), Zapata (Atalanta), Ronaldo (Juventus). Técnico: Gian Piero Gasperini (Atalanta).

Deixe um comentário