Liga Europa

Ruínas de Roma

Luis Enrique nem olhou Totti saindo de campo. Precisa observar e aprender, caso contrário… (GettyImages)

A posse de bola no primeiro jogo não surtiu efeito. Chances criadas, chances desperdiçadas. Hoje, em 11 minutos, Perrotta já tinha marcado 1 a 0 para a Roma. O resultado levava para a prorrogação; mas os giallorossi redimensionaram o verbo “romar” – cunhado aqui no blog, em referência a algum vexame incrível – no espaço e no tempo, como disse o jornalista Pedro Venancio, e foi eliminado da Liga Europa após empate em casa com o Slovan Bratislava.

O forte ritmo italiano era ditado pelos jovens pés de Viviani e Caprari, e, por outro lado, Perrotta e Simplício davam certa experiência no meio-campo. No ataque, além de Caprari, Bojan jogava à esquerda e Totti no centro do 4-3-3. A Roma precisava de mais outro para definir a classificação no tempo normal, mas aos 28 minutos da etapa final,Totti saiu para a entrada de Okaka – pelas imagens, “contentíssimo” – e a torcida respondeu: vaias para Luis Enrique.

Pouco após a saída do capitão, um gol de Stepanovsky, no segundo chute eslovaco a meta de Stekelenburg, obrigaria a Roma a fazer mais dois para não cair, vergonhosamente, frente a sua torcida. Vladimír Weiss, técnico adversário, foi taxativo: “a substituição de Totti foi um presente para nós”. Ironicamente, Weiss era o técnico da Eslováquia que eliminou a Itália na fase de grupos da Copa do Mundo de 2010.

As lamentações após a queda na fase preliminar da Liga Europa foram muitas – e diversas -, no Olímpico. Luis Enrique foi ríspido com jornalistas que questionavam a substituição, Cassetti e Bojan preferiram culpar a falta de sorte, pois a bola não entrou; Perrotta afirmou que a torcida tem o direito de reclamar. Já Burdisso disse: “a substituição de Totti nos pegou de surpresa, mas o capitão entendeu bem (sic). Será um ano difícil”. Difícil em todos os aspectos, a começar do próprio setor do argentino, a defesa, que foi mal na pré-temporada e, por isso, deve ganhar o reforço do dinamarquês Kjaer, do Woflsburg.

A tônica da Roma, no entanto, é parte do que o zagueiro declarou após o empate em 1 a 1 com o Slovan Bratislava. A mudança dos corpos diretivos e técnicos da equipe ligam-se em um ponto: Francesco Totti. Indispensável, intocável, Rei de Roma na Era Sensi. Majestade que vê sua coroa se afastar após o início da gestão de Thomas DiBenedetto, e dos diretores Claudio Fenucci, Franco Baldini e Walter Sabatini. Luis Enrique, com sua postura de dar mais espaço a jovens, tem o aval da direção, por enquanto, mas o novo presidente da Roma precisará de coragem para bancar a aposta no espanhol, caso os resultados continuem ruins. Por outro lado, é natural que um novo projeto comece com tropeços.

Se o projeto do treinador era trazer o Barcelona à Bota, ele começa a ruir como um monumento da Roma Antiga. De um lado há talentosas promessas, como José Angel, Bojan Krkic e Erik Lamela; do outro, veteranos infelizes. Daniele De Rossi reluta em renovar contrato, Pizarro não está contente com a reserva, Borriello, que está de saída, está chateado com Luis Enrique e Sabatini e Totti…

Bem, Totti fica infeliz sempre que senta no banco de reservas. E, convenhamos, deixar o campo para que Okaka entre em seu lugar para decidir a classificação do seu clube do coração, quando ele mesmo era o melhor do jogo, não é algo facilmente digerível. Por muito menos, aliás, o capitão já disparou contra Claudio Ranieri, que ainda tinha o salvo-conduto de também ser romanista. Em um clube que preza tanto a romanità, Luis Enrique pisa em ovos. Romper com o ídolo do time logo de cara não é lá muito inteligente. E, quando uma decisão dessas acontece em nível continental, quem perde é o futebol italiano, que agora tem apenas cinco times vivos em competições europeias. No ranking de coeficientes da Uefa, França e até mesmo Portugal (!) começam a encostar perigosamente.

3 comentários

Deixe um comentário