Serie A

Ufa!

Polêmico, Balotelli marcou o gol que definiu o 2 a 0 e a classificação italiana às quartas da Euro (Reuters)

A Itália fez sua pior partida na Euro, mas se classificou. Graças ao 2 a 0 em Poznan, sobre a Irlanda, e à vitória da Espanha contra a Croácia – com um magro 1 a 0 que saiu só nos minutos finais -, a equipe de Cesare Prandelli ficou com 5 pontos e a segunda posição no grupo – como se esperava. Na última rodada, a se destacar a desportividade da Espanha, que se classificaria com qualquer empate – inclusive o 2 a 2 que eliminaria a Itália e classificaria a Croácia -, e da Irlanda, que mesmo eliminada, jogou como se tivesse chances de seguir em frente. Agora, os italianos enfrentam o líder do grupo D, que sai amanhã. A anfitriã Ucrânia e as tradicionais Inglaterra e França são os possíveis adversários.

A má partida da Squadra Azzurra tem uma simples razão: Pirlo, termômetro da equipe, esteve muito mal. Com o time de volta ao 4-3-1-2 – mas com Thiago Motta jogando como trequartista -, a expectativa era a de que o regista da Juventus tivesse ainda mais proteção para trabalhar a bola com tranquilidade. Mas ele pareceu um pouco perdido, procurando jogo ora pelo lado esquerdo, ora pelo direito. Além disso, a Itália insistiu demais em jogadas pelo meio, setor no qual Giovanni Trapattoni tinha reforçado a marcação. Thiago Motta foi bem tecnicamente, errando pouquíssimos passes, mas não criou nenhuma jogada de perigo. 

No primeiro tempo, a única jogada perigosa da Itália surgiu em uma incursão pelo lado direito, quando Di Natale ganhou de Given e ia marcando o primeiro gol, caso St. Ledger não cortasse em cima da linha. Na sequência, o goleiro irlandês cedeu um escanteio bobo e, na cobrança, Cassano abriu o placar, com uma estranha cabeçada, que entrou por muito pouco.

Na segunda etapa, a Itália esteve mal. Ia se classificando como primeira do grupo, devido aos estranhos critérios de desempate adotados pela Uefa nesta Euro, mas não convencia. A Irlanda começava a ganhar campo e colocava tensão no jogo. Desatento, Pirlo quase complicou a vida da Nazionale ao perder duas bolas na entrada da área. Aos 37 minutos, Buffon defendeu uma bomba de Andrews e segurou o resultado. 

Desde as entradas de Diamanti e Balotelli (aos 18 e aos 28 minutos, respectivamente), a Itália havia melhorado um pouco. E, depois desta defesa de Buffon, passou oito minutos de tranquilidade. Até que o atacante do Manchester City completou, aos 45 minutos, uma cobrança de escanteio de Pirlo com uma bela puxeta e definiu o placar. Na hora do gol, ensaiou xingar alguém (racistas poloneses?), mas foi contido por Bonucci, que tapou sua boca – vide foto. 

Menos mal que ele marcou, mas a Itália segue apresentando problemas evidentes no ataque e na criação. Fruto de duas escolhas de Prandelli: primeiro, deixou Destro (único centroavante de ofício na pré-convocação) de fora da Euro – Di Natale, por mais que jogue assim na Udinese, tem um esquema voltado todo para si, diferentemente da Nazionale. O técnico ainda deu, até agora, poucos minutos a Diamanti, único trequartista puro na lista de jogadores que viajaram à Polônia. Nas quartas de final, quando é matar ou morrer, as escolhas podem pesar ainda mais.

 

Notas

Buffon, 7 – Correspondeu, quando exigido, e ainda fez defesa providencial em cobrança de falta de Andrews, quando a Irlanda crescia

Abate, 6 – Nenhum grande lampejo, mas a solidez de seus melhores dias no Milan

Barzagli, 6 – Pouco exigido, mas firme. Voltou bem da lesão, apesar de um pouco lento

Chiellini, 6 – Atento, controlou as ações de Doyle

Bonucci, 6 – Entrou na fase mais difícil do jogo para a Itália, mas não comprometeu

Balzaretti, 7 – Mais regular em campo, marcou bem e criou duas ótimas oportunidades no ataque. Deve ganhar a posição de Giaccherini no time titular

De Rossi, 6,5 – Fortíssimo na marcação, ajudou a Itália a conter o ímpeto irlandês no segundo tempo, quando a Nazionale caiu de produção

Pirlo, 5,5 – Desatento, pouco criativo. Errou muitos passes e perdeu duas bolas na entrada da área

Marchisio, 6,5 – Mais participativo que nos outros dois jogos, compensou a má partida de Pirlo

Thiago Motta, 5,5 – Fora de sua posição natural, não criou muito, apesar de ter acertado muitos passes. De volta à sua função a partir dos 18 do segundo tempo, sumiu

Cassano, 6 – Fora de ritmo, teve apenas dez minutos de bom futebol. Teve uma chance, marcou o primeiro gol e só

Diamanti, 6,5 – Habilidoso, entrou bem no jogo, dando dinâmica à equipe na frente. Merece mais chances

Di Natale, 5,5 – Sumido durante todo o jogo, teve só uma grande chance de gol, que St. Ledger cortou em cima da linha

Balotelli, 7 – Em sua melhor partida na Euro, segurou a bola na frente quando a Itália passava sufoco e ainda marcou um bonito gol

Ficha técnica – Itália 2-0 Irlanda

Local: Estádio Municipal de Poznan, Polônia

Árbitro: Cuneyt Çakir, da Turquia

Gols: Cassano (35’1T) e Balotelli (45’2T)

Cartões amarelos: Balzaretti, De Rossi (Itália), O’Shea, St Ledger, Andrews (Irlanda)

Cartão vermelho: Andrews (Irlanda)

Itália: Buffon; Abate, Barzagli, Chiellini (Bonucci 11′ 2T), Balzaretti; Marchisio, Pirlo, De Rossi; Thiago Motta; Cassano (Diamanti 18’2T), Di Natale (Balotelli 29’2T). Técnico: Cesare Prandelli

Irlanda: Given; O’Shea, Dunne, St. Ledger, Ward; McGeady (Long 20’2T), Whelan, Andrews, Duff; Keane (Cox 40’ 2T), Doyle (Walters 31’2T). Técnico: Giovanni Trapattoni

1 comentário

  • o problema da itália são seus técnicos. sempre foi assim. di natale e diamanti foram convocados meio a contra-gosto. espero que prandelli veja isso pras quartas. ainda bem que o montolivo não jogou ontem…

Deixe um comentário