Categorias de base

Primavera: a redenção

Cataldi, o nome da Lazio na competição: o céu é o limite (Gazzetta dello Sport)

No último domingo (09), Lazio e
Atalanta disputaram o título do Campionato Primavera 2012-2013, a última
categoria do setor juvenil italiano (sub-19). Com uma vitória relativamente
tranquila por 3 a 0, apresentando muita disposição tática e eficiência, o time
da capital do Belpaese chegou ao quinto título na categoria, quebrando um jejum
de 12 anos.

A conquista é fruto do bom trabalho
desenvolvido em Formello – encabeçado por Giulio Coletta, diretor do setor juvenil
laziale desde 2004, e Alberto Bollini,
treinador do time Primavera desde 2010 –, resultando
na ótima temporada em 2012-2013. Com Bollini de volta ao comando técnico do
time Primavera, após passagem entre 1997 e 2003, o clube bateu na tecla nas quartas de final de 2011 e vice em
2012, período em que lançou Alessandro Berardi (goleiro, classe 91), Luca
Crescenzi (zagueiro, /92), Enrico Zampa (meio-campista, /92), Ogenyi
Onazi (meio-campista, /92), Sani Emmanuel (atacante, /92), Gonzalo
Barreto (atacante, /92), Antonio Rozzi (atacante, /94), entre
outros. Dois deles compõem regularmente o elenco principal hoje (destaque para
Onazi), enquanto outros foram emprestados (destaque para Zampa e Emmanuel).
Em 2012-13, a base foi mantida e
foram agregados mais valores, alguns do Juniores Berretti (sub-18) – como Riccardo
Serpieri (zagueiro, classe 94), Lorenzo Filippini (zagueiro, /95), Gianluca
Pollace (lateral, /95), Luca Crecco (atacante, /95) e Cristiano
Lombardi (atacante, /95) –, outros contratados pela equipe de olheiros laziali – como Thomas Strakosha
(goleiro, /95), Gianmarco Falasca (meio-campista, /93), Milos Antic
(meio-campista, /94), Balde Diao Keita (atacante, /95) e Mamadou
Tounkara (atacante, /95).

Vices em 2012, jogadores como Aurimas Vilkaitis
(zagueiro, classe 93), Emiliano Ilari (lateral, classe 94), Danilo Cataldi (meio-campista,
classe 94) e Antonio Rozzi prosseguiram no time e tiveram destaque na campanha.
Rozzi, que já faz parte do elenco principal, porém fez alguns jogos na fase de
grupos e teve boa participação, com 11 gols, e foi o artilheiro do time no período.
Titulares e líderes do time, Vilkaitis e Cataldi foram peças fundamentais na
temporada; o primeiro apresentando versatilidade e sendo a referência na
defesa; o segundo, o “cara” do meio de campo e elemento importante nas jogadas
ofensivas – foram 10 gols, dois na final.

Na fase de grupos, a Lazio liderou
o Grupo C (times da parte central e sul do país) junto com o Catania, somando
59 pontos em 26 partidas (17 vitórias, 8 empates e uma derrota, marcando 64
gols e sofrendo 22). Fazendo valer a campanha segura na fase de grupos, os
garotos de Formello passaram por Torino (1 a 0, quartsa de final) e Chievo (3 a
1, semifinal) na fase final antes de pegar a Atalanta em Gubbio, na região da
Úmbria, sagrando-se pentacampeã do principal campeonato das categorias de base
italiana.
Nas outas temporadas em que foi
campeã, a Lazio revelou importantes figuras na história do futebol na da
Bota e também alguns outros que chegaram a aparecer no cenário italiano. Em
1975-76, os ídolos Bruno Giordano e Lionello Manfredonia; em 1986-87, o goleiro
Valerio Fiori. Na sensacional geração 1995, surgiram Alessandro Nesta, Marco Di
Vaio, Daniele Franceschini, Flavio Roma e o flop
Alessandro Iannuzzi. Já em 2000-01, quando o mesmo Bollini treinava o time, Maurizio
Domizzi, Emanuele Berrettoni e Valerio Di Cesare.
Vice na atual edição, a Atalanta
também merece destaque. Em Zingonia (no Centro Bortolotti), a Dea possui um setor
juvenil
referência no Belpaese, desenvolvido e dirigido por Antonio
Percassi e Mino Favini. Exemplos não faltam e a lista é grande: Rino Marchesi e
Angelo Domenghini nos anos 60, Antonio Percassi nos anos 70, Roberto Donadoni e
Valter Bonacina nos anos 80, Alessio Tacchinardi, Domenico Morfeo, Luciano
Zauri e Cesare Natali nos anos 90, e mais recentemente Rolando Bianchi, Andrea
Lazzari, Michael Agazzi, Giampaolo Pazzini, Tiberio Guarente e Riccardo
Montolivo.
A Atalanta também foi campeã no Juniores Berretti
2012-13 sobre a também boa Inter de Sergio Zanetti, irmão de Javier. Quem
comanda o time atalantino na categoria é o ex-defensor e ídolo interista Giuseppe Bergomi, que tem como destaque o
talentoso meio-campista Mario Pugliese (classe 96). A Atalanta tem colhido bons resultados nos últimos anos, formando jogadores como Matteo Scozzarella (/88), Davide
Brivio (/88), Moussa Koné (/90), Simone Zaza (/91), Manolo Gabbiadini
(/91) e Simone Colombi (/91), que começam a ganhar espaço no futebol
profissional.

Como Zaza, artilheiro do Ascoli na Serie B com 18 gols, e
Gabbiadini, comprado pela Juventus, destaque no Bologna e na Nazionale sub-21.
Hoje já não pertencem mais à Atalanta, mas são fruto de Zingonia. Hoje
titulares da Dea, Andrea Consigli (classe 87) e Giacomo Bonaventura (/89)
já chamam a atenção de clubes maiores.

Em 2012-13, o time comandado por Valter
Bonacina, ídolo e de passagem longa em Bérgamo (como jogador e treinador), surpreendeu
no Grupo B (com times do norte-nordeste italiano) ao desbancar a favorita e então
campeã Inter, deixando o time de Milão na terceira colocação – que dá vaga para
o play-off, no qual acabou caindo para o Torino. Com 17 vitórias, um empate e 3
derrotas (caiu um pouco de rendimento no final) e 57 pontos, o time bergamasco só
ficou atrás do Milan, com 58. Nas quartas de final, um surpreendente 4 a 1
sobre a Fiorentina deu moral para o difícil confronto das semis, novamente contra o Milan. O gol do artilheiro Cais garantiu a vaga na final, em que
acabaria derrotada pela Lazio.
Nesta temporada, Luca Zanotti (goleiro,
classe 94), Alex Redolfi (zagueiro, /94), Luca Milesi (lateral, /93), Andrea Conti (lateral, /94), Antonio Palma (meio-campista, /94), Federico Varano (meio-campista, /95) e Davide Cais (atacante, /94) apareceram bem e podem figurar em algumas futuras convocações de Stefano
Colantuono, que costuma trabalhar bem com os garotos de Zingonia.
O Milan acabou caindo na
semifinal (pelo segundo ano consecutivo), porém mais uma vez mostrou uma boa
base. Comandados por Aldo Dolcetti, os garotos de Milanello não fizeram feio no Grupo B, sendo os líderes com 58 pontos, em 19 vitórias, um empate e 6
derrotas, tendo o melhor ataque, com 63 gols. Nas quartas de final passara pelo
surpreendente Catania, “co-líder” do Grupo C com a Lazio.
Grande destaque e um dos líderes
do time, o regista Bryan Cristante (classe 95) já começa a figurar nas
convocações de Max Allegri e a tendência é que ganhe mais minutos em 2013-14. Outros
destaques, Simone Ganz (atacante, /93), Andrea Petagna (atacante, /95), Filippo Lora (meio-campista, /93), Alex Pedone (meio-campista, /94) e Ezekiel Henty (atacante, /93) também podem aparecer mais
entre os profissionais em Milanello.
No Grupo A (com times do
norte-noroeste italiano), quem apareceu bem foi a Juventus. Com a maior pontuação
dentre os três grupos (61 pontos, com 19 vitórias, 4 empates e 3 derrotas), os bianconeri despontaram como um dos
favoritos ao título – que não vencem desde 2005-06, com a promissora geração
1985-87 composta por Michele Paolucci, Sebastian Giovinco, Claudio Marchisio, Domenico
Criscito, Davide Lanzafame, Paolo De Ceglie, Riccardo Maniero, entre outros –,
porém decepcionaram ao caírem nas quartas de final para o Chievo por 2 a 1, sendo
eliminados por gol na prorrogação.
Relativizando o vacilo, o goleiro Laurentiu Branescu (classe 94), os
zagueiros Hördur Magnússon (/93) e Daniele Rugani (/94, emprestado
pelo Empoli), os alas Federico Mattiello (/95) e Elvis Kabashi (/94, também emprestado pelo Empoli), o meio-campista Andrea Schiavone (/93)
e os atacantes Stefano Beltrame (/93) e Stefano Padovan (/94)
aparecerem bem em 2012-13 e podem ganhar alguns minutos com Antonio Conte na
temporada 2013-14.
Melhores momentos da final aqui. Mais detalhes do
campeonato aqui.
Todos os campeões do Campionato Primavera aqui.

Deixe um comentário