Jogadores

Raffaele Palladino, perseguido por lesões, se tornou uma eterna promessa do futebol italiano

Quantas histórias de jogadores habilidosos que não conseguiram marcar época no futebol você já escutou? O atacante Raffaele Palladino protagonizou um desses tristes contos ao longo de duas décadas deste milênio. Com passagens por Juventus, Genoa e Parma, o ponta sofreu com lesões no joelho e nunca foi capaz de atingir o potencial de que se esperava dele no início da carreira.

Filho de Guglielmo Palladino, jogador amador que chegou a disputar a Serie C pela Sambenedettese, Raffaele seguiu os passos do pai e começou sua carreira na Campânia, sua região natal. Por lá, após ser descoberto numa equipe de várzea de Mugnano di Napoli, concluiu sua formação nas categorias de base do Benevento.

Capaz de atuar como segundo atacante ou na ponta esquerda, onde costumava carregar para o centro na tentativa de finalizar com o pé direito ou embaralhar a defesa adversária, Palladino pode estrear pelo Benevento com apenas 17 anos, pois o clube passava por uma situação complicada e teve de escalar juvenis na Serie C1. Embora tenha atuado em apenas oito jogos e anotado apenas um tento, o jovem jogador chamou a atenção da Juventus, que o contratou em 2002.

Palladino logo ingressou no elenco sub-19 da Velha Senhora para a disputa de torneios de base e se tornou “Palladinho”, devido a sua técnica comparável a de jogadores brasileiros. Pelos juvenis da equipe bianconera, o atacante mostrou sua veia artilheira ao marcar 41 gols em 61 jogos do Campeonato Primavera. Além disso, Raffaele disputou e venceu duas edições da Copa Viareggio.

Apesar do ótimo rendimento na base, que lhe rendeu a chance de ser campeão europeu sub-19 pela seleção italiana, Palla teve somente uma chance entre os profissionais da Juventus. Ocorreu na temporada 2003-04, numa aparição na final da Coppa Italia, perdida para a Lazio. Sem espaço, ele voltou à Campânia no verão de 2004, para representar a Salernitana, na Serie B.

Palladino chegou a ser cotado como esperança de renovação na Juventus, mas não conseguiu apresentar regularidade (Getty)

A Salernitana enfrentou diversos problemas no início da temporada 2004-05 e só melhorou depois que o técnico Aldo Ammazzalorso deu lugar a Angelo Gregucci. Palladino acabou sendo o principal nome da campanha de recuperação dos grenás e, com 15 gols em 39 jogos disputados no certame, foi fundamental para que a equipe escapasse do descenso. O grande desempenho fez Raffaele sentir a esperança de ter maior minutagem no elenco da Juventus, mas isso não aconteceu. Assim, em 2005-06 ele foi novamente emprestado e reforçou o Livorno.

Foi atuando com a camisa do time toscano que Palladino fez sua estreia na elite do campeonato nacional. Mas, embora tenha sido uma experiência valiosa para sua carreira, ele não conseguiu números expressivos como teve na Salernitana. No Livorno, o atacante começou a conviver com as lesões que lhe perseguiriam durante sua trajetória e, inclusive, foi traído pela primeira vez pelo joelho – que lhe afastou dos campos por três meses. Assim, só anotou dois gols em 25 jogos disputados.

Quis o destino que, mesmo após uma passagem discreta pelo Livorno, Palladinho fosse aproveitado pela Juventus. É que, no verão europeu de 2006, a equipe foi punida com o rebaixamento para a Serie B por conta do envolvimento de diretores no escândalo Calciopoli e teve de construir um elenco bem mais modesto do que o habitual. Raffaele, então, terminou sendo integrado ao plantel treinado por Didier Deschamps como opção a Pavel Nedved e Alessandro Del Piero.

Ao longo do ano, o atacante acabou ganhando mais chances do que o previsto devido a uma lesão de Delpi e a uma suspensão da fúria checa por cinco rodadas. Palladino aproveitou as chances e terminou a campanha de acesso à Serie A com oito gols marcados – três deles numa goleada por 5 a 1 sobre a Triestina. Pouco depois que a Juventus retornou à elite, Raffaele recebeu a sua primeira convocação para a seleção italiana adulta, coroando uma longa trajetória na sub-21, com a qual disputara dois Europeus da categoria. A estreia ocorreu em novembro de 2007, numa vitória por 3 a 1 sobre Ilhas Faroé.

Em sua nova chance na Serie A, Palladino quase não jogou como atacante, já que a Juventus incorporou Vincenzo Iaquinta a um setor que já contava com David Trezeguet e Del Piero. O principal trabalho do campano, então, foi rever seu posicionamento e suas funções no gramado para se adequar ao 4-4-2 de Claudio Ranieri. Com isso, passou a atuar frequentemente como ala pelo lado esquerdo, com inversões para o flanco direito ao longo da temporada.

No Genoa, o ponta viveu os melhores momentos de sua carreira (Getty)

Ao longo de 2007-08, o jogador campano atuou 31 vezes, mas não foi titular absoluto. Autor de apenas dois gols e duas assistências nesse período, Palladino não convenceu a Juventus e acabou deixando a agremiação seis anos depois de sua chegada. Seu destino foi o Genoa, que adquiriu 50% de seus direitos econômicos.

Parecia um redimensionamento de expectativas para Raffaele, mas ele “caiu para cima”, como se diz por aí. Afinal, no Genoa, ele teve a melhor temporada de sua carreira, apesar de ter perdido 10 rodadas, em virtude de lesões e de uma infecção viral. Palladino marcou três gols e forneceu sete assistências nas 30 partidas que disputou, sendo fundamental na arrancada que levou o time de Gian Piero Gasperini, quinto colocado, à Liga Europa – faltou apenas um ponto para tomar o quarto lugar da Fiorentina e abocanhar vaga na Champions League. O atacante conseguiu anotar, aos 88 minutos, o tento da vitória rossoblù sobre a Juventus, sua antiga equipe, na 31ª rodada, e deu passe para Diego Milito consolidar sua tripletta no centésimo dérbi contra a Sampdoria, na 34ª.

O bom desempenho pelo Genoa levou Palladino, que ainda tinha 25 anos, de volta à seleção italiana. Se, anteriormente, havia sido convocado por Roberto Donadoni, em novembro de 2009 ganhou uma chance de Marcello Lippi num amistoso contra a Holanda, terminado em 0 a 0. Seria a sua última partida pela Nazionale, já que a irregularidade e as lesões fariam com que concorrentes mais confiáveis tomassem o seu espaço. Estava definido, ali, o seu status de eterna promessa.

A rigor, o último grande período de Palladino pelo Genoa ocorreu no início de 2009-10, quando ele foi convocado por Lippi. Nas primeiras rodadas daquela campanha da Serie A, o atacante marcou gols decisivos para as vitórias sobre Fiorentina e Sampdoria, por exemplo. Depois, caiu de rendimento bruscamente e somou problemas físicos – um prelúdio do que estava por vir nas temporadas seguintes.

Na janela de inverno de 2011, Palladino se transferiu para o Parma. A estreia, com o pé direito, foi celebrada com um gol na pesadíssima vitória dos crociati sobre a Juventus por 4 a 1, em Turim – mais uma vez, o atacante acionou a lei do ex, portanto. Só que uma lesão no joelho, dois meses e meio depois, prejudicou sua carreira em definitivo. Por conta do problema na articulação e recaídas associadas aos músculos adutores, que ajudam a sustentá-la, Raffaele conseguiu superar a marca de 1.000 minutos na Serie A somente mais duas vezes antes de se aposentar.

Uma sequência de sérias lesões foi fundamental para que Palladino tivesse dificuldades de jogar pelo Parma (Getty)

Palladino lutou constantemente para recuperar sua forma física entre 2011 e meados de 2013, de modo que raras vezes pode ser escalado pelo Parma. Mesmo assim, teve seu contrato estendido até 2016 e mostrou lampejos ao longo de 2013-14, quando conseguiu disputar 27 partidas – mas apenas duas inteiramente. Palla contribuiu para que os crociati ficassem na sexta posição da Serie A e, no ano seguinte, foi utilizado mais vezes por conta das enormes dificuldades financeiras que o clube, incapaz de contratar reforços, atravessou antes de falir.

Com o rebaixamento e a falência do Parma, em 2015, o atacante se tornou um agente livre e ficou parado até novembro, quando fechou com o Crotone a pedido do técnico Ivan Juric, que havia sido seu colega no Genoa. Na Serie B, Palladino teve um desempenho bastante regular, levando em consideração a sequência de lesões que havia sofrido nos anos anteriores: contribuiu com quatro gols e oito assistências na campanha do primeiro acesso à elite da história dos squali.

Palladino permaneceu no Crotone para a disputa da Serie A e trocou de clube apenas em janeiro de 2017. O atacante retornou ao Genoa, e novamente através da solicitação de Juric, que treinava os rossoblù. Dessa vez, a sua passagem pela Ligúria foi bastante atribulada: o time lutou contra o rebaixamento e Raffaele, que pouco atuou, nem marcou gols. Após encerrar sua experiência pelos grifoni no inverno europeu de 2018, o jogador ainda vestiu a camisa do Spezia por seis ocasiões e foi se aposentar, em 2019, com a camisa do Monza. Sequer entrou em campo pelos biancorossi e pendurou as chuteiras com 35 anos.

Assim que abandonou os gramados, o ex-jogador assumiu o cargo de treinador das categorias de base do clube presidido por Silvio Berlusconi. Na temporada 2021-22, Palladino levou o Monza às semifinais dos playoffs da segunda divisão do Campeonato Primavera.

Pouco depois, o desempenho insatisfatório de Giovanni Stroppa na campanha de estreia dos brianzoli na Serie A resultou na promoção de Palladino ao comando do time principal. O ex-atacante estreou com uma vitória sobre a Juventus, que acostumou a castigar, e tirou o Monza da zona de rebaixamento com um futebol bem mais organizado do que o do seu antecessor. Agora do lado de quem pensa o jogo, o campano busca a regularidade para mostrar suas habilidades de forma duradoura, o que não ocorreu quando ele teve a bola nos pés.

Raffaele Palladino
Nascimento: 17 de abril de 1984, em Mugnano di Napoli, Itália
Posição: atacante
Clubes como jogador: Benevento (2001-02), Juventus (2002-04 e 2006-08), Salernitana (2004-05), Livorno (2005-06), Genoa (2008-11 e 2017-18), Parma (2011-15), Crotone (2015-17), Spezia (2018) e Monza (2019)
Títulos como jogador: Europeu Sub-19 (2003) e Serie B (2007)
Carreira como treinador: Monza (2022-hoje)
Seleção italiana: 3 jogos

Compartilhe!

Deixe um comentário