Esquadrões

Chicago Mustangs: quando o Cagliari jogou o Campeonato dos Estados Unidos

Na Europa, o verão dá as caras em meados de junho e se estende até as últimas semanas de setembro. No futebol, a época é de descanso para alguns e trabalho árduo para outros. Quando não há competições entre seleções, os jogadores entram de férias. Já os dirigentes abrem a janela para as transferências entre atletas e treinadores. Num segundo momento, também acontecem muitas turnês neste período do ano, nas quais os clubes visam alcançar novas praças. Os Estados Unidos, aliás, são um grande polo de exploração para times europeus, que geralmente levam muitas pessoas aos estádios modernos da terra do Tio Sam. Em 1967, o Cagliari experimentou esse gostinho, mas de maneira sui generis.

Após se classificar para a Serie A pela primeira vez na temporada 1964-65, o Cagliari galgava espaço na elite do futebol italiano. Com Luigi Riva e Roberto Boninsegna fedendo a gol, os sardos conseguiram alcançar uma notável sexta colocação no campeonato de 1966-67. Em seguida, no verão de 1967, a agremiação viajou aos Estados Unidos a convite da United Soccer Association (USA), ou Liga Norte-Americana, para participar de um inédito torneio de futebol.

Para competir com a National Profissional Soccer League (NPSL), criada pelo empresário esportivo Bill Cox, a United Soccer Association surgiu em 1967. Um consórcio encabeçado pelos empresários Jack Kent Cooke, Steve Stavro e Lamar Hunt foi o responsável por dar vida ao certame, tendo em vista o aumento da popularidade do “soccer” em solo americano.

A maneira como a United Soccer Association encontrou para atrair visibilidade ao campeonato foi através de dinheiro, é claro. A liga ofereceu cerca de US$ 200 mil a 12 times de oito países diferentes, da Europa e da América do Sul, para se fixar em cidades-sede predeterminadas. Uma questão incomum, no entanto, marcou ainda mais aquele torneio: as equipes convidadas deveriam usar nomes e uniformes criados para a realização da competição. O Cagliari representou o Chicago Mustangs.

Além do time da maior cidade do estado de Illinois, representado pelos italianos, estas foram as outras 11 agremiações convidadas para o campeonato, sediado nos EUA e no Canadá:

  • Boston Rovers (Shamrock Rovers)
  • Cleveland Stokers (Stoke City)
  • Dallas Tornado (Dundee United)
  • Detroit Cougars (Glentoran)
  • Houston Stars (Bangu)
  • Los Angeles Wolves (Wolverhampton)
  • New York Skyliners (Cerro)
  • San Francisco Golden Gate Gales (Den Haag)
  • Toronto City (Hibernian)
  • Vancouver Royal Canadians (Sunderland)
  • Washington Whips (Aberdeen)

A formação do Cagliari na estreia: Duri (massagista), Visentin, Hellies, Pianta, Giagnoni, Moro e Hitchens (em pé); Tiddia, Massei, Solla, Masetto e Marongiu (agachados) (Arquivo/Olbia Calcio)

Cabe frisar que alguns times não aceitaram a solicitação para participar do torneio – casos de América do México, Club Brugge e Dunfermline. Por sua vez, a Football League vetou a participação de Leeds e Liverpool em amistosos que antecederiam o certame, cujo desenrolar foi detalhado pela Trivela neste texto.

A United Soccer Association teve início em 28 de maio de 1967, depois da realização de alguns amistosos de exibição envolvendo clubes como Real Madrid, West Ham, Athletic Bilbao, Estrela Vermelha, Valencia e Glasgow Rangers. Os times foram divididos em dois grupos de seis participantes, nas divisões Leste e Oeste. O elenco italiano caiu na segunda chave, teoricamente mais forte do que a outra, junto a Los Angeles Wolves, San Francisco Golden Gate Gales, Houston Stars, Vancouver Royal Canadians e Dallas Tornado.

Para a disputa, os sardos só teriam um desfalque: Riva, seu principal jogador, não viajaria para os Estados Unidos por causa de uma lesão sofrida em abril. Em contrapartida, o Cagliari reforçou o elenco com jovens da base e antecipou as chegadas de quatro reforços para a temporada 1967-68 – entre eles, o centroavante inglês Gerry Hitchens. Por fim, para tentar compensar a ausência do seu craque na expedição norte-americana, a diretoria dos casteddu também acertou com a Spal um curto empréstimo do experiente meia-atacante argentino Oscar Massei.

O Cagliari estrearia na USA em 28 de maio, ainda com seu time reserva, visto que a competição na América do Norte começara quando ainda restava uma rodada da Serie A. Os italianos, fardando o uniforme dos Mustangs, enfrentaram os escoceses do Dundee United, trajados de Dallas Tornado, diante de 9.872 torcedores no Comiskey Park, estádio de beisebol em que jogava o Chicago White Sox. A equipe treinada por Manlio Scopigno começou com pé esquerdo e perdeu por 1 a 0, gol marcado pelo atacante dinamarquês Finn Dossing.

Nas partidas seguintes, a maré de azar continuaria cobrindo os “Cagliaris” – como a mídia norte-americana chamava o time, numa errônea tentativa de aproximá-lo à cultura local. A equipe de Chicago só conquistaria a primeira vitória na quarta rodada, ao fazer 3 a 2 sobre o New York Skyliners/Cerro, de virada.

Os Mustangs, do brasileiro Nenê, comemoram um gol contra o Detroit no Comiskey Park (Arquivo/NASL)

O grande destaque da franquia de Illinois era, sem dúvida, o bomber Boninsegna. Não à toa, foi o artilheiro do campeonato, sendo responsável por 11 dos 20 gols que o Cagliari marcou nos nove jogos da competição. Todavia, mesmo com o ótimo desempenho de Bonimba diante das redes adversárias e a ajuda do brasileiro Nenê, fiel escudeiro do centroavante, o Chicago Mustangs não atraía muitas pessoas ao estádio após o início negativo no certame. E, para piorar a situação, os torcedores se envolveram em brigas violentas dentro e fora de campo nos duelos contra Toronto City e New York Skyliners, a ponto de haver invasão do gramado e agressão à equipe de arbitragem.

Em suma, a franquia que o Cagliari estava representando findou o torneio no terceiro posto da divisão Oeste, vencida pelo Wolverhampton, que atuava como Los Angeles Wolves. Inclusive, o time californiano levou o único título da competição após derrotar o Washington Whips (Aberdeen) na decisão, num alucinante por 6 a 5.

Ao final do certame, Boninsegna e o defensor argentino Miguel Ángel Longo foram os representantes do Chicago Mustangs entre os All-Stars da competição – ambos no segundo time. Em dezembro de 1967, a United Soccer Association se fundiu com a National Professional Soccer League, acarretando na criação da North American Soccer League (NASL), que vigorou até 1984, com novas equipes e sem a importação massiva de elencos completos de outros clubes.

O Cagliari, por sua vez, embolsou a grana da participação no torneio e retornou à Itália com boa perspectiva para as temporadas seguintes. Não por acaso foi vice-campeão italiano em 1968-69, permanecendo quatro pontos atrás da vitoriosa Fiorentina. Dispondo da mesma base dos anos anteriores, de uma defesa segura e bem consistente e do ótimo Riva no ataque, o time da Sardenha alçou voos maiores em 1969-70 e ganhou o primeiro e único scudetto de sua história. Parte daquela equipe também integrou o elenco da Nazionale que ficou com o segundo lugar na Copa do Mundo de 1970.

Nos anos seguintes, os rossoblù perderiam suas principais peças e até amargariam algumas temporadas nas divisões inferiores do futebol italiano. O fato é que o clube usou o experimento nos Estados Unidos para dar início à sua breve e marcante era de ouro, provando que os caminhos para as vitórias também podem ter etapas bastante insólitas.

Compartilhe!

Deixe um comentário