Listas

Os 10 maiores africanos do futebol italiano

François Zahoui. Quem acompanha o futebol africano pode se lembrar dele como técnico da seleção de Costa do Marfim entre 2010 e 2012, quando conquistou o vice-campeonato da Copa Africana de Nações. 30 anos antes disso, porém, ele chegava ao Ascoli para ser o primeiro jogador do continente a jogar na Serie A. Parece meio tarde, não? Apenas na década de 1980 um africano chegava a jogar na Itália? Hoje, eles, que são tantos não apenas nos gramados da Europa mas também nas cidades do Velho Continente, tardaram a ter destaque no futebol europeu. Antes de falarmos sobre futebolistas africanos na Itália, devemos explicar porquê.

Por motivos históricos, econômicos e sociais, a África demorou a entrar no mapa do futebol globalizado. Foram séculos de exploração europeia sobre o continente que, em meados do século XX, continuava dividido entre as imperialistas potências europeias. A história conta que, até 1974, houve apenas uma Eliminatória para a Copa do Mundo envolvendo uma seleção africana. Foi a primeira de todas as qualificações para o Mundial, em 1934, quando o Egito passou por Palestina e Turquia e jogou a Copa da Itália. Originalmente, este grupo qualificatório foi, como se vê, pensado para seleções representantes do Oriente Médio, sem necessariamente se pensar no conceito de África.

A “África Branca”, ou seja, a África do Maghreb, no norte do continente, sempre esteve ligada à Europa por causa do Mediterrâneo e antigas civilizações, que influenciaram-se – Grécia, Roma, Egito, Fenícia e Cartago, por exemplo. Não foi à toa que o Egito, em 1954, jogou outra Eliminatória, desta vez contra a Itália – acabou sendo eliminado da disputa. Em 1958, o Sudão (outro país do norte) entrou na disputa, juntamente com os egípcios, e caiu na terceira da quarta (!) fase de qualificação à Copa. O caminho dos africanos não era nada fácil.

Portanto, considerando-se a África como um todo, incluindo a subsaariana e a austral – cerca de 75% do território do continente –, foi apenas em 1962 que, quando Nigéria e Gana pleitearam uma vaga na Copa, os africanos começaram a concorrer de fato. Em 1966, a disputa foi alargada e 15 equipes tentariam chegar ao Mundial Inglês, mas por protestos em todo o continente, foi impossível realizar o torneio qualificatório. Foi apenas em 1970, quando Marrocos se classificou, que os africanos passaram a ter vagas diretas nos Mundiais. Hoje, eles têm direito a cinco das 32 seleções, e 13 países diferentes já foram representados.

Hoje, o futebol africano é competitivo, mais ainda que nos anos 1990 e 2000, quando alguns dos craques que mencionamos em nossa lista atuavam em altíssimo nível – alguns, na verdade, ainda jogam. Nigerianos, camaroneses, marroquinos e, principalmente, ganeses, obtiveram destaque na Itália – mas não podemos esquecer, claro, de um liberiano e também de sul-africanos e serra-leoneses. Entre os países do continente que mais cederam jogadores à Serie A estão Gana, com 30, e Nigéria, com 26 – ambos estão no grupo das 20 nacionalidades mais representadas no futebol italiano.

Boa parte dos jogadores da nossa lista foram voluntariosos coadjuvantes, outros não chegaram a atuar no Belpaese como em outros campeonatos, mas alguns conseguiram manter sua fama absoluta na Bota, como Samuel Eto’o e George Weah. De qualquer forma, a seu modo, tiveram sua importância no cenário local e em suas seleções.

Critérios
Para montar as listas, o Quattro Tratti levou em consideração a importância de determinado jogador na história dos clubes que defendeu, qualidade técnica do atleta versus expectativa, identificação com as torcidas e o dia a dia do clube (mesmo após o fim da carreira), grau de participação nas conquistas, respaldo atingido através da equipe, desempenho por seleções nacionais e prêmios individuais. Listas são sempre discutíveis, é claro, e você pode deixar a sua nos comentários!

Top 20 Africanos na Itália

11. Obafemi Martins; 12. Nwankwo Kanu; 13. Philemon Masinga; 14. Mohamed Kallon; 15. Asamoah Gyan; 16. Taribo West; 17. Mohammed Sissoko; 18. Sunday Oliseh; 19. Pierre Womé; 20. Samuel Kuffour.

10º – Stephen Appiah

Posição: meio-campista
Clubes em que atuou na Itália: Udinese (1997-2000), Parma (2000-02), Brescia (2002-03), Juventus (2003-05), Bologna (2009-10) e Cesena (2010-11)
Títulos: Coppa Italia (2001-02) e Supercopa Italiana (2003)
Prêmios individuais: Jogador ganês do ano (2005)

Voluntarioso, Appiah nunca foi jogador de grande destaque nas equipes em que passou – salvo em uma exceção, no Brescia, quando foi um dos principais jogadores do time, ao lado de Roberto Baggio e Pep Guardiola. O ganês chegou à Itália em 1997, quando a extensa rede de olheiros da Udinese o achou em Gana. Versátil, atuava mais recuado como volante, mas podia fazer também as vezes de meia. Após aparecer bem na Udinese, acertou com o rico Parma, onde foi bem utilizado e participou da final da Coppa Italia de 2002, conquistada sobre a Juventus.

Buscando mais espaço para jogar, se transferiu ao Brescia, onde viveu seu auge. Em 31 partidas na boa campanha lombarda na Serie A 2002-03, marcou sete gols, um deles – o último –, importantíssimo, na vitória por 1 a 0 sobre o Milan, que ajudou a levar os brescianos à Copa Intertoto. O ganês chegou a se transferir para a Juventus, onde teve um ótimo primeiro ano, mas perdeu espaço na segunda temporada, com as contratações de Patrick Vieira e Emerson. O capitão da seleção de Gana foi para a Turquia, se destacou pelo Fenerbahçe e voltou à Itália na fase descendente da carreira, quando uma séria lesão no joelho e problemas de forma física limitavam suas aparições. Por isso, se aposentou cedo, aos 32 anos.

9º – Gervinho

Posição: atacante
Clube em que atuou na Itália: Roma (2013-hoje)
Títulos: nenhum
Prêmios individuais: Artilheiro da Coppa Italia (2013-14)

Gervinho mal chegou à Itália, mas já pode ser considerado um dos principais jogadores africanos a terem passado pela Bota. O marfinense apareceu bem no Le Mans e no Lille, da França e se transferiu ao Arsenal, onde não conseguiu demonstrar todo o potencial esperado. Na Roma, reencontrou o técnico Rudi Garcia, que o treinou no Lille, e se converteu em uma das mais importantes peças da equipe capitolina. Hoje, ao lado de Francesco Totti, é o principal jogador do sistema ofensivo romano. Na última temporada, dividiu com o capitão o posto de maior garçom da Serie A, com 10 assistências. Neste ano, já tem três em sua conta.

Muito veloz e habilidoso, Gervinho dá à Roma uma opção de jogadas pelos flancos com potencial devastante, algo visto em poucas equipes do campeonato. A perseguição giallorossa à Juventus nas duas temporadas de Garcia no comando do clube passam muito pelos pés de Gervinho, que na Itália tem melhorado até mesmo no quesito marcar gols. Ele ainda está longe de ser um grande finalizador e ainda perde gols fáceis, mas, ao mesmo tempo, tem guardado gols importantes para seu time – já balançou as redes contra Juventus, Napoli, Inter, Milan e Fiorentina, por exemplo. Ao todo, em 53 partidas, o atacante de 27 anos já fez 17 gols, mais do que em sua passagem por Londres. Com o carinho da torcida e contrato até 2018, Gervinho tem tudo para se consagrar ainda mais na Cidade Eterna.

8º – Patrick Mboma

Posição: atacante
Clubes em que atuou na Itália: Cagliari (1998-2000) e Parma (2000-02)
Títulos: Copa Africana de Nações (2000) e Ouro olímpico (2000)
Prêmios individuais: Artilheiro da Coppa Italia (1999-2000), Jogador Africano do Ano (2000), Jogador Africano do Ano BBC (2000)

O futebol de Camarões pode ser dividido em três eras. A dos atacantes Roger Milla e Samuel Eto’o muitos já conhecem, mas o que pouca gente sabe é que entre o apagar das luzes da carreira do primeiro e o despontar do segundo craque, existiu Patrick Mboma. Formado no Paris Saint-Germain, ele rodou por equipes menores da França, mas nunca teve chances reais no clube da capital francesa. Explodiu tarde, no Gamba Osaka, do Japão, onde foi artilheiro da J-League. Mboma ainda foi o destaque dos Leões Indomáveis na Copa de 1998. Assim, aos 28 anos, atraiu o interesse do Cagliari, que retornava à primeira divisão em 1998.

Já conhecido por marcar gols de fora da área com sua perna esquerda, Mboma chegou à Sardenha falando um bom italiano e não demorou a aparecer bem pelo clube insular. Na primeira temporada, o alto, forte e técnico atacante ajudou o time a escapar do rebaixamento e, na segunda, foi o destaque dos sardos na boa campanha na Coppa Italia. Foi artilheiro da competição, com seis gols, e viu o time cair na semifinal, frente à Inter. Com a queda do Cagliari para a Serie B, foi para o Parma, onde, com a concorrência de Amoroso, Marco Di Vaio, Savo Milosevic e Hakan Sükür, jogou poucas vezes – o que o fez ser cedido ao Sunderland, da Inglaterra. Mesmo assim, Mboma não deixou de brilhar pela seleção, que conquistou em seu auge o bi da Copa Africana de Nações e um ouro olímpico, em Sydney. Mboma chegou a ser o maior artilheiro da seleção camaronesa, com 33 gols, à frente de Milla e seus 28, mas foi superado por Eto’o, que fez 56.

7º – Kwadwo Asamoah

Posição: meio-campista
Clubes em que atuou na Itália: Torino (2008), Udinese (2008-12) e Juventus (2012-hoje)
Títulos: Serie A (2012-13 e 2013-14) e Supercopa Italiana (2013 e 2014)
Prêmios individuais: Jogador ganês do ano (2013)

Apesar de muito novo, Asamoah já integrava a seleção de Gana na Copa Africana de Nações de 2008. Após a CAN, se transferiu ao Bellinzona, de um cantão italiano na Suíça, mas por questões legais não poderia atuar no país. Assim, foi emprestado ao Torino, onde só jogou mesmo pela equipe Primavera. Esperta, a Udinese não pode deixar de notar aquele jovem talento, que já demonstrava força, técnica e senso de posicionamento pelo lado esquerdo do meio-campo. Em Údine, onde ficaria por quatro anos, demorou quase seis meses para assumir a titularidade, que nunca mais perdeu. Em 2010-11, Kojo atuou em todas as partidas da equipe, e formou um meio-campo fortíssimo ao lado de Gökhan Inler e Giampiero Pinzi, sendo peça fundamental à classificação da Udinese à Liga dos Campeões.

No ano seguinte, Asamoah voltou a ser um pilar no time que surpreendeu outra vez e se classificou à Champions de novo. Mostrando um futebol de muita raça e determinação, não demorou de ser enxergado por Antonio Conte e Giuseppe Marotta como um reforço importante para a Juventus recém-campeã italiana. Nos dois primeiros anos em Turim foi titular na ala esquerda do 3-5-2 do treinador, sendo um vetor importante para as subidas ao ataque dos bianconeri. Com a troca no comando da Juventus, passou a ser utilizado por Massimiliano Allegri como lateral esquerdo, mas uma lesão prejudica a sua continuidade na equipe.

6º – Abedi Pelé

Posição: meia-atacante
Clube em que atuou na Itália: Torino (1994-96)
Títulos: nenhum
Prêmios individuais: nenhum

Nascido Abedi Ayew, o meia-atacante se tornou Pelé pela grande habilidade. Quando chegou ao Torino, já na parte final da carreira, Abedi Pelé já era um jogador extremamente consagrado: tinha em seu currículo uma Copa dos Campeões e três Campeonatos Franceses pelo Olympique Marseille, onde foi ídolo, e três prêmios (e mais cinco indicações) como Jogador Africano do Ano. Enfim, já era um dos maiores jogadores africanos de toda a história quando chegou ao Torino, com quase 30 anos.

Em 1994, Pelé foi contratado por um Torino que queria voltar a competir na parte mais alta da tabela, como no início daquela década. O ganês chegou para dar o toque de genialidade no elenco, substituindo mais uma vez (como ocorrera em Marselha) o uruguaio Enzo Francescoli, que voltava ao River Plate. A primeira temporada de Abedi Pelé na Itália foi muito boa no plano pessoal: ele fez boa dupla com Ruggiero Rizztelli e Andrea Silenzi, realizou 32 de 34 jogos possíveis na Serie A e marcou 10 gols – metade deles sobre equipes que acabaram rebaixadas. O Toro ficou no meio da tabela, porém, naquele ano, conseguiu vencer as duas partidas contra a Juventus, um feito – basta lembrar que até hoje, quase 20 anos depois, a Juve está invicta contra o rival. No ano seguinte, Pelé atuou apenas 17 vezes e marcou três gols, e não conseguiu evitar a queda dos granata à segundona. Com isso, deixou a equipe rumo ao Munique 1860, penúltimo clube na carreira.

5º – Kevin-Prince Boateng

Posição: meio-campista
Clube em que atuou na Itália: Milan (2010-13)
Títulos: Serie A (2010-11) e Supercopa Italiana (2011)
Prêmios individuais: Seleção da Serie A (2011) e Time do ano CAF (2011)

Boateng foi uma das maiores surpresas dos tempos recentes de Serie A. O ganês, nascido na Alemanha, foi contratado pelo Genoa após uma boa (mas não exuberante) temporada no Portsmouth, da Inglaterra, e foi repassado dias depois ao Milan. Ainda jovem, com 23 anos, chegou com pinta de que seria peça para compor elenco, mas Massimiliano Allegri tinha outros planos para ele. O então técnico do Diavolo utilizou o jogador de meio-campo mais avançado, como trequartista, e, aliando muita força física e técnica, ele se converteu em um dos grandes nomes da temporada do último scudetto do Milan, 2010-11, ao lado de Thiago Silva e Zlatan Ibrahimovic.

No primeiro ano vestindo a camisa vermelha e preta, atuou em 34 partidas e marcou três gols, o que fez ser contratado em definitivo pelo gigante italiano. Na segunda temporada em San Siro, jogou um pouco menos, por causa de lesões musculares, mas marcou mais gols – nove, no total – e ajudou a equipe a ficar com o vice-campeonato, apenas quatro pontos atrás da Juventus. Boateng ainda realizou uma temporada inteira com o número 10 nas costas, herdado de Clarence Seedorf, mas o Milan obteve apenas a terceira posição, em clara queda técnica da equipe. O ganês encerrou sua passagem para o Milan no início da temporada 2013-14, quando marcou dois gols contra o PSV nos play-offs da Liga dos Campeões, levando o Milan para a fase de grupos antes de ser negociado com o Schalke 04.

4º – Sulley Muntari

Posição: meio-campista
Clubes em que atuou na Itália: Udinese (2001-07), Inter (2008-11 e 2011-12) e Milan (2012-hoje)
Títulos: Liga dos Campeões (2009-10), Mundial de Clubes Fifa (2010), Serie A (2008-09 e 2009-10), Supercopa Italiana (2008 e 2010) e Coppa Italia (2009-10)
Prêmios individuais: Seleção da Copa Africana de Nações (2008)

Não, Muntari não bateu em ninguém do blog para entrar na lista. Antes de ser um meia agressivo e que às vezes abusa das faltas (e da força) em excesso, o ganês construiu carreira sólida e vencedora na Serie A. Formado no Liberty Professionals, do seu país, quase se transferiu ao Manchester United quando atuava como lateral/ala pela esquerda, mas acabou na Udinese, excelente prospectora de talentos. Foi lançado ao time principal por Luciano Spalletti, em 2002, e teve três ótimas temporadas pelas zebrette, sendo peça fundamental no meio-campo da equipe, que se classificou duas vezes à Copa Uefa e uma à Liga dos Campeões. Após a saída do treinador, Muntari continuou regular, sendo um pilar da equipe, oferecendo combatividade e técnica no lado esquerdo do meio-campo, até ser vendido ao Portsmouth.

Após um ano na Inglaterra, com a chegada de José Mourinho à Inter, voltou ao Belpaese – o português queria Frank Lampard, mas com a negativa do Chelsea, teve de se contentar com um jogador de características similares, mas bem menos brilhante. Porém, Muntari assumiu a titularidade da equipe e, logo em sua estreia, marcou um gol sobre a Roma, na Supercopa Italiana vencida pelos nerazzurri. O ganês fez uma ótima Serie A, como titular, e marcou quatro gols, incluindo tentos sobre Juventus, Napoli (de letra) e Lazio. No ano seguinte, as contratações de Thiago Motta e Wesley Sneijder lhe tiraram espaço, mas ele integrou a campanha da Tríplice Coroa nerazzurra – apesar de, em um jogo contra o Catania, ter levado dois amarelos com 40 segundos em campo e quase ter atrapalhado o time. A saída de Mourinho limitou de vez seu espaço em Appiano Gentile e, entre um empréstimo ao Sunderland e sua volta, atuou só mais 13 vezes pelo lado azul e preto de Milão. Trocou de cores, permaneceu na cidade, e, hoje, em sua quarta temporada pelo Milan, é uma peça bastante utilizada por Pippo Inzaghi. Muntari, com 11 cartões vermelhos, se encontra na terceira posição no quesito em toda a história da Serie A, empatado com outros jogadores – o uruguaio Paolo Montero, com 16, lidera.

3º – Mehdi Benatia

Posição: zagueiro
Clubes em que atuou na Itália: Udinese (2010-13) e Roma (2013-14)
Títulos: nenhum
Prêmios individuais: Time do ano CAF (2013) e Time do ano European Sports Magazine (2013)

Benatia é o único zagueiro da lista. Assim como outros três jogadores já citados por aqui, o marroquino chegou à Itália via Udinese, o que mostra mais uma vez como a equipe friulana soube pescar talentos do continente-mãe. Benatia foi formado pelo Olympique Marseille, mas nunca encontrou espaço no OM, e foi para Údine depois de dois anos no pequeno Clermont. Logo em seu ano de estreia, mostrou os dotes que só quem acompanhava a Ligue 2 conhecia: muito forte nas jogadas aéreas, tanto defensiva quanto ofensivamente, muita agressividade para recuperar a posse de bola e um ótimo senso de antecipação. Destacou-se em duas classificações consecutivas da Udinese à Liga dos Campeões, fazendo boa parceria com o brasileiro Danilo no 3-5-2 de Francesco Guidolin.

Após um 2012-13 em que conviveu com problemas físicos que limitaram a sua utilização, Benatia acabou se transferindo à Roma por um total de 17 milhões de euros (13,5 em dinheiro mais o passe de dois jogadores). Na Cidade Eterna se tornou soberano de uma das melhores defesas de toda a Europa, fazendo companhia a um trio de brasileiros na zaga romana – Maicon, Leandro Castán e Dodô. Ainda mais forte que nos anos anteriores, Benatia foi o principal nome da campanha do vice-campeonato da Roma, participando de quase todos os jogos da campanha giallorossa – só não atuou em cinco. Mostrou ainda sua veia ofensiva ao marcar cinco gols no campeonato. As atuações o colocaram na mira de gigantes europeus e o marroquino acabou deixando a Roma por 30 milhões de euros, apenas um ano depois de ser contratado.

2º – Samuel Eto’o

Posição: atacante
Clube em que atuou na Itália: Inter (2009-11)
Títulos: Liga dos Campeões (2009-10), Mundial de Clubes Fifa (2010), Serie A (2009-10), Supercopa Italiana (2010) e Coppa Italia (2009-10 e 2010-11)
Prêmios individuais: Jogador Africano do Ano (2010), Time do ano European Sports Magazine (2011), Artilheiro do ano IFFHS (2010), Artilheiro da Coppa Italia (2010-11) e Bola de Ouro do Mundial de Clubes Fifa (2010)

Um dos maiores e mais letais atacantes das últimas décadas certamente estaria entre o principais africanos a atuarem na Itália – na verdade, ficou praticamente em empate técnico com o primeiro colocado. Eto’o é o único jogador a ter conquistado a Tríplice Coroa duas vezes, é o recordista de títulos de Jogador Africano do Ano (venceu quatro) e maior artilheiro da seleção camaronesa. Sua velocidade, perspicácia, habilidade e poder de conclusão com as duas pernas lhe fizeram chegar aí. Incrivelmente, o Rei Leão foi contratado pela Inter em 2009, em uma negociação que envolveu a ida de Zlatan Ibrahimovic para o Barcelona. Ser moeda de troca era muito pouco se considerarmos o quanto Eto’o já havia conquistado no âmbito de clubes e seleção, por Mallorca, Barcelona e Camarões. Na Inter, ele mostrou que isso era mesmo pouco e que, ainda no auge de sua carreira, poderia se reinventar e, ao mesmo tempo, continuar com faro de gol.

No primeiro dos seus dois anos em Milão, Eto’o foi treinado por José Mourinho e, com a presença de Diego Milito no comando do time, deixou de ser a referência no ataque para atuar aberto pela esquerda no 4-2-3-1 orquestrado pelo português. Lá, ajudou na defesa (chegou até a atuar como lateral esquerdo na semifinal da Liga dos Campeões contra o Barcelona) e deu um toque de genialidade ao ataque, ao lado de Milito e Wesley Sneijder. Na temporada da Tríplice Coroa, foram 16 gols em 48 jogos, o mais importante deles nas oitavas de final, contra o Chelsea, em pleno Stamford Bridge, que elevou os nerazzurri de patamar na Liga dos Campeões. No ano seguinte, já sem Mou e com Rafa Benítez e Leonardo, teve a mais prolífica temporada de sua carreira: fez 37 gols, superando o recorde de Ronaldo na Inter (34) e a sua própria marca, de 26, em 2007-08, na Catalunha. Com as frequentes lesões de Milito, Eto’o assumiu o posto de homem-gol da equipe e foi letal em toda a campanha, marcando gols (alguns lindíssimos) decisivos para a conquista da Supercopa Italiana, do Mundial de Clubes, da Coppa Italia e para o vice-campeonato nerazzurro – veja todos os 53 tentos marcados por ele aqui. O camaronês até começou 2011-12 em Milão e jogou a Supercopa, perdida para o Milan, mas foi vendido ao Anzhi para equilibrar as contas do clube.

1º – George Weah

Posição: atacante
Clube em que atuou na Itália: Milan (1995-2000)
Títulos: Serie A (1995-96 e 1998-99)
Prêmios individuais: Melhor Jogador do Mundo Fifa (1995), Bola de Ouro (1995), Jogador Africano do Ano (1995), Jogador Africano do Ano BBC (1995), Artilheiro da Liga dos Campeões (1994-95) e Inserido na lista Fifa 100

Eu sei que você lembrou, e repita com a gente: OOOO EEEE AAAA! Apesar do nome similar ao da simpática onomatopeia da Copa de 2014, George Weah nunca disputou um Mundial. O atacante liberiano, um dos maiores jogadores africanos de toda a história ao lado de Eto’o ficou praticamente em empate técnico com o camaronês pela liderança em nosso ranking. E ficou à frente na lista por um motivo: é, até hoje, o único jogador do seu continente a ter vencido seja a Bola de Ouro da revista France Football seja o prêmio de Melhor Jogador do Mundo da Fifa. Os dois prêmios foram dados a Weah em 1995, quando ele já estava no Milan e fazia uma de suas grandes temporadas.

Weah era um típico atacante africano: veloz, habilidoso, forte, ousado e bom finalizador – inclusive em bolas aéreas. O liberiano, que chegou ao Milan já com 30 anos, não foi tão goleador quanto Eto’o em sua passagem por Milão, mas se destacou por criar muitos espaços e desestabilizar defesas para que os companheiros aproveitassem e também marcassem – foi assim no time de Fabio Capello e no de Alberto Zaccheroni, em seus dois scudetti conquistados. Se destacou também por marcar contra a Juventus, sua vítima preferida. No primeiro ano em San Siro, com a responsabilidade de substituir Ruud Gullit, fez dupla de ataque com Roberto Baggio e anotou 11 gols – um deles esta pintura contra a Lazio. Nos dois anos seguintes, o Milan sentiu a saída de Capello e viveu período de baixa, mas Weah manteve a média de gols e ainda marcou este golaço contra o Verona, atravessando todo o campo e deixando para trás sete adversários. Weah ainda passou mais uma temporada e meia em Milão, ganhou um scudetto no ano do centenário do Milan e rumou à Inglaterra em janeiro de 2000, encerrando sua passagem pela Itália com 147 jogos e 58 gols pelo Diavolo – veja alguns deles.

1 comentário

  • Na verdade o Mboma não foi treinado por Levir Culpi na JLeague. O Levir treinava o Cerezo Osaka, enquanto que o Mboma jogava no rival Gamba.

    No mais, não dá pra concordar com tudo, mas ótimo ranking como sempre.

Deixe um comentário